julho 22, 2005

De Quantos “EUS” Somos Feitos?

Vera Ghimel

eus-keith-haring-monkey-puzzle.jpg Recebi esta pergunta à queima-roupa, faz alguns meses. Teria ficado tranqüila se não fosse feita por um pré-adolescente, de 12 anos, muito conhecido meu. Meu filho Lucas Ian.
Parei tudo para entender bem a pergunta. Ele me relatou que percebe ser UM com os amigos, OUTRO com o pai, MAIS OUTRO comigo, AINDA OUTRO com as professoras e só identifica quem é o EU mais próximo dele, quando está tomando banho. Segundo ele, é nesse momento solitário que vê quem realmente é o Lucas. Dei-lhe uma explicação sobre os nossos papéis sociais, muito aparentes nessa idade, mas eu mesma não me convenci. Fiquei matutando sobre o assunto durante dias. Afinal, eu tiro arquétipos das pessoas, e disso, eu entendo um pouco. Já havia feito a retirada de seus arquétipos, aos 5 anos de idade, à distância, o que resultou numa melhora fantástica. Resolvi perguntar-lhe se gostaria de fazer o processo, dessa vez, presente. Topou. Fiz novamente uma nova retirada de arquétipos. Saíram uns 10. Ele me disse que era “sinistro” me ver falando igual a ele quando estava com os seus amigos. Ele notou e eu também, uma nova mudança.

Ainda não era uma resposta definitiva. Comecei a pesquisar. Toda vez que eu peço aos amigos espirituais que tragam respostas, elas imediatamente chegam. Arrumando os meus livros, encontrei um que comprara há muitos anos e que ainda não havia lido. Fala da jornada do encontro da nossa Verdade. Chama-se O Despertar do Herói Interior, de Carol S.Pearson. Carol cita os 12 arquétipos de base. Os que estão desde o nascimento conosco. Eu já percebera que fazendo o mapa numerológico cabalístico, eu identificava nele os arquétipos da pessoa. Pra identificá-los, em seu mapa, eu uso a expressão “se tender para o lado negativo..... etc.”.
Estou fazendo a segunda leitura desse livro e já estou aplicando o conhecimento nele contido, junto com a minha experiência.

Segundo Carol, são 12 no total, assim divididos:

a) O EGO possui 4 arquétipos - O Inocente, o Órfão, O Guerreiro e o Caridoso.
b) A ALMA (prefiro chamar de Espírito) possui também 4 arquétipos – O Explorador, O Destruidor, O Amante e O Criador.
c) O SELF possui os 4 últimos arquétipos – O Governante, O Mago, O Sábio e o Bobo.

Cada grupo de 4 detém uma parte da jornada. Com a formação do EGO, iniciamos a trajetória, já em criança com o arquétipo do INOCENTE, que pelo aspecto positivo, nos faz aprender a ter otimismo e confiança. Com os primeiro erros, nos tornamos O ÓRFÃO, que pelo lado positivo, nos traz empatia, interdependência e realismo, fazendo-nos recuperar a segurança. Logo surge O GUERREIRO que entra em cena para aprendermos a estabelecer metas e estratégias, alcançando-as com disciplina e coragem. E chega então O CARIDOSO, completando a jornada de formação do EGO, que nos ensina a cuidar das pessoas e de nós mesmos. Quando todos estão na UNIDADE, o que é raro, tudo funciona como numa orquestra afinada.

Com a formação da ALMA (prefiro chamar ESPÍRITO), aparece O EXPLORADOR que nos impulsiona para a busca de uma vida melhor, nos traz autonomia e ambição saudáveis. Logo em seguida temos O DESTRUIDOR, que nos serve para que através da perda (desapego), do medo ou da dor, nos obrigue a escolher entre reiniciar a jornada ou nos transformarmos. Aí entra em ação O AMANTE, que é a busca da felicidade, o compromisso com quem ama, é o amor por nós e pelo outro. Por fim O CRIADOR, que nos liga ao Universo, nos dando criatividade, identidade e vocação. Permite-nos que os sonhos se transformem em realidade.

Na manifestação do SELF, o arquétipo O GOVERNANTE indica soberania, responsabilidade e competência. É a busca da concretização dos sonhos. É a preocupação do bem-estar da sociedade do planeta. Nessa altura, aparece O MAGO que nos dá poder pessoal, transformação da realidade para melhor. Ele cura as feridas do governante. O SÁBIO traz verdade, entendimento, sabedoria e desprendimento. Finalmente O BOBO, cujo princípio é a alegria, o prazer, a libertação. É o inocente, lá do início, com mais maturidade. É festejar a vida a cada momento.

Na manifestação negativa deles, temos no INOCENTE um comportamento de rejeição à verdade, credulidade extrema com as pessoas ou desconfiança, consumismo, sentimentos de desproteção, de culpa e vergonha, propensão para correr riscos. NO ÓRFÃO, a primeira coisa a desaparecer é a espontaneidade, sente-se magoado, rejeitado, abandonado, traído, maltratado, com tendências a reprimir talentos para não se expor. O GUERREIRO negativo é improdutivo, injusto, com obsessiva necessidade de vencer, encara qualquer diferença como uma ameaça e em situações extremas é mentiroso, inescrupuloso e vilão. O CARIDOSO negativo doa-se em demasia, sem observar a hora de dizer não, o que raramente faz. Pai/Mãe que deposita nos filhos uma expectativa de realizar-se através deles, se tornam ressentidos. Processa-se uma relação simbiótica que torna-se repressora. Há uma transferência de carências para os seus protegidos como forma de preencherem os vazios emocionais.

Pela expressão negativa, O EXPLORADOR tem uma necessidade obsessiva de ser independente, o que nos mantém isolados. Cria alienação, insatisfação e sensação de vazio. Perfeccionismo, orgulho e vícios. O DESTRUIDOR carrega-nos para a estagnação, dor, sofrimento, tragédia e perdas. Em situações extremas, assassinatos e estupros, difamação e morte sem renascimento. O AMANTE nos empurra para a inveja, o ciúme, fixação obsessiva no objeto ou pessoa amada, compulsividade sexual, promiscuidade ou mesmo puritanismo exagerado. O CRIADOR, no lado negativo, limita as oportunidades, traz devaneios, fantasias descabidas, obsessão por criar.

No aspecto negativo do GOVERNANTE, haverá caos e perda de controle. Haverá comportamento dominador, tirânico, rígido e manipulativo. Quando não há um governante forte e equilibrado, haverá falta de recursos, de harmonia, de apoio ou de ordem na sua vida. O arquétipo de base O MAGO, o tornará feiticeiro(a) maligno(a), ou lhe trará doenças físicas, emocionais e espirituais, além de descontrole psíquico e mediúnico. O SÁBIO lhe confrontará com a fraude, a ilusão, isolamento e ausência de sentimentos. Atitudes e comportamentos críticos, superiores e pomposos. O BOBO terá preguiça, gula, irresponsabilidade, tédio, indisciplina, parasitismo e embriaguez.

Esses arquétipos de base podem ser equilibrados. Usando a mesma técnica feita na terapia de retirada de arquétipos, pela canalização da forma com que cada um deles se manifesta em nós, pode-se conduzi-los para a UNIDADE. Os arquétipos construídos por nós, ao longo de nossas vidas, seguem o modelo desses que já nascem conosco. Não adianta retirar um arquétipo construído, sem ir ao princípio de tudo. Ao mesmo tempo, não se pode retirar apenas esses moldes arquetípicos de nascimento, sem uma primeira vivência dos arquétipos que construímos.

Crescer é um ato de amor conosco. É um ato de respeito com quem nos criou.

Fonte: Somos Todos Um

[Imagem: Keith Haring, "Monkey Puzzle"]

Posted by Lilia at julho 22, 2005 09:01 PM
Comments