agosto 30, 2005

A Intuição

Izabel Telles

intuicao-Corneille.jpg Talvez a linguagem mais interessante que nossa mente nos fornece seja a intuição, esta percepção profunda que se nos dá, trazendo a sensação de que já sabemos ou que obtemos a resposta bem antes de tomar qualquer decisão ou ação.

Chamamos a intuição de a "Voz do coração", esta primeira mensagem que recebemos quando pensamos em algo ou em alguém. Normalmente, logo a seguir, vem a mensagem fria do nosso raciocínio cartesiano negando nossa intuição ou fazendo pouco caso do conteúdo que ela nos traz. E assim perdemos uma comunicação preciosa de quem está conectado com o grande Universo dentro e fora de nós.

Na verdade, foi ouvindo a voz da intuição que muitas pessoas deixaram de embarcar em aviões que acabaram caindo, outras trouxeram para nós invenções importantes, além de muitos diagnósticos que são feitos tendo na sua base esta sensação de que "sei o que é isso. Não com meu raciocínio, mas com o meu coração".

Parece incrível que o ser humano tenha desprezado por tantos séculos esta fantástica forma de nos relacionarmos com as fontes divinas de informação e cura. Até hoje isso acontece entre as pessoas. O intuitivo é desprezado nas grandes corporações como aquele que "fala umas coisas que não podem ser provadas cientificamente", e mais tarde acabamos por ver que aquela idéia que o intuitivo tinha apresentado era realmente uma idéia muito à frente do seu tempo e que, com certeza, iria funcionar caso fosse aplicada.

Mas como fazer para provar a intuição? Não me ocorre uma forma. Talvez você possa sugerir alguma. Como fazer para ensinar às pessoas a intuição? Claro que somos todos intuitivos por natureza e basta que soltemos as amarras do julgamento e das crenças preconceituosas para ouvir esta voz do coração. Mas como dizer às pessoas: confie nesta voz, siga esta voz, acredite naquilo que é seu. Fuja daquilo que querem fazer você acreditar.

Perceba o movimento que seu corpo faz quando alguém que não vai lhe fazer bem aproxima-se. Perceba que sua mão se fecha, seus batimentos cardíacos disparam, seu corpo se afasta, sua testa se franze e tudo que você quer é correr para longe dali. Mas o que normalmente fazemos? Não damos atenção a esta forma de intuição e estendemos a mão para esta pessoa e falamos "muito prazer" quando o que queríamos dizer era: "não tenho nenhum prazer em conhecê-lo". E ficamos por perto, almoçamos com ela e em alguns casos, acabamos nos tornando empregados desta pessoa, ou amigos ou amantes e as conseqüências disso não tardam a aparecer. Só que sua intuição já tinha avisado tudo isso no momento do encontro. Não teria sido mais fácil escutá-la?

Sei que não é fácil escutá-la. É preciso treinar, errar e acertar, e ter tempo para conferir os resultados. Enfim, experiência e confiança. Coisas que só ganhamos mesmo quando vivenciamos cada momento. Mas o importante mesmo é começar a praticar. Boa sorte.

Fonte: Somos Todos Um
[Imagem: Corneille, sem título]

Posted by Lilia at agosto 30, 2005 02:51 PM
Comments

??
:)
beijo!

Posted by: Claudia at agosto 30, 2005 10:39 PM

A Izabel é realmente fantástica, seus textos são inovadores dentro de sua linha de pensamento, além de encerrarem profunda beleza estética.
Vc, foi muito feliz em escolher esses textos para compor a sua página.

Até Logo Mais

Posted by: Gel at setembro 2, 2005 08:47 AM