março 02, 2007

Abandonando a Necessidade de controle

Rogério Pires

abandonandonecessidadecontrole_patriciaaschwimmer_flightfreedom.jpg Todos nós temos tendência em querer controlar o Universo à nossa volta e o simples sentimento de que não possuímos o controle de uma determinada situação, faz-nos entrar em contato com vibrações mais densas, não construtivas. Pensamentos negativos, atitudes impensadas, sentimentos e emoções desequilibradas.

Não necessariamente, aquilo que desejamos é o mais apropriado para o nosso direcionamento evolutivo, mesmo assim vibramos em relação ao que desejamos de forma bastante intensa, entrando em um estado de enorme ansiedade em relação àquilo que criamos expectativas de concretização, este tipo de atitude, pode obscurecer e até, interferir naquilo que é essencial para nós, gerando desconforto, sofrimento e medo.

Temos medo de não realizar todas as nossas vontades e expectativas, o medo aumenta ou diminui, conforme o grau de importância em relação àquilo que desejamos. A necessidade de controle é decorrente do medo, pois ambicionamos manipular todas as possibilidades de um acontecimento por temer que ele não se concretize da maneira que desejamos.

Desde novos aprendemos que devemos correr atrás de nossos sonhos, que tudo que acontece em nossas vidas é fruto de nossa busca incessante de métodos para viabilizar a realização dos nossos desejos. Ferramentas de busca para saciar a nossa ilusão de onipotência e possível onipresença.

A cobrança em relação a essa atitude é enorme, e o medo da não realização, associado ao medo de ser cobrado, mesmo que essa cobrança parta do próprio indivíduo, faz com que ele entre em um ciclo vicioso de expectativas, ansiedades e sofrimentos. O tempo de latência entre a criação de um desejo e a sua concretização pode ser bem sofrido, isso se a consolidação vier a acontecer.

Não é errado lutarmos por aquilo que desejamos, ter força de vontade para buscar aquilo que se deseja é louvável e admirável. Sendo que, não podemos esquecer que tudo nessa vida tem seu tempo de criação, todos os acontecimentos têm os seus ritmos certos de realização, criar expectativas, se envolver em um processo de ansiedade, pode nos arrastar para um padrão de negatividade tão intensa, capaz de dificultar e até fazer com que os nossos objetivos não sejam realizados.

Albert Einstein afirmava que só conseguia resolver um problema quando deixava de pensar nele, e a solução aparecia para ele através de insights. Quando uma situação esperada e muito desejada demora a acontecer em nossas vidas, o melhor a fazer, é abandonar a maneira que se relaciona com o objeto de desejo. Às vezes, somente deixando de lado a expectativa e a ansiedade em relação as nossas metas, faz com que a nossa vontade se realize, abandonando todos os processos vibracionais negativos que estavam interferindo, atrasando, inviabilizando a realização do que foi planejado.

Imagine que um problema se apresente e o indivíduo escuta de todos à sua volta, “não pense no problema”, “deixe isso para lá...”, “não fique chateado por seu problema...”, desta forma, o foco de atenção ainda continua sendo o problema, pois ele não deixou de ser mencionado e conseqüentemente o indivíduo não consegue tirá-lo de sua cabeça fazendo com que o mesmo se potencialize e permaneça por um período de tempo superior.

É importante adaptarmos os nossos conceitos mentais para que se tornem “afins” com aquilo que realmente precisamos, confiar na sabedoria universal de que tudo que realmente necessitamos pode ser alcançado com a utilização de um esforço consciente se for idealizado de maneira correta e construtiva.

Fonte: somos todos um
[Imagem: Patricia A. Schwimmer, Flight Freedom]

Posted by Lilia at março 2, 2007 01:04 PM
Comments