Principal
 Fale comigo
acorda!
amizade
amores
ansiedade
auto-estima, perdão e aceitação
compaixão & generosidade
cura & saúde!
delícias
depressão/tristeza
desapego
do riso & bom humor
entrevistas
envelhecendo
espiritualidade
estorinhas
felicidade & alegria
FRASES
inveja
mães, pais & filhos
magias e astrologias
meditação
medo & pânico
menopausa & TPM
mulheres
o alheio e a nossa vida
o poder do desejo
piegas? que nada!
preste atenção!
resiliência
rigidez & intolerância
uia!
junho 2011
agosto 2009
junho 2009
fevereiro 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
outubro 2006
setembro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
 
   
  06.08.09- CURANDO RELACIONAMENTOS

Helena Gerenstadt

sunsethouston_orangewater27april 006_narrow_700.jpg

Curar nossos relacionamentos é a nossa própria escolha, já que na verdade não são os outros que estamos perdoando realmente.
São apenas nossas próprias atitudes e julgamentos a respeito deles que precisam ser perdoados.
São os nossos pensamentos e julgamentos hoje, e não mais a outra pessoa, que nos causam dor no presente.
E já que estes pensamentos e julgamentos são nossos, apenas nossos, somos nós que precisamos nos empenhar em perdoar, em mudar nossa mente e nos libertar das queixas passadas.

É POSSÍVEL CURAR TODOS OS RELACIONAMENTOS?
Sim! É possível curar não apenas alguns, mas todos os nossos relacionamentos.
Podemos fazê-lo desistindo de qualquer forma preconcebida, ou dos roteiros mentais que tenhamos escrito sobre os outros...
Podemos fazer isso nos dispondo a acabar com todas as queixas e pensamentos de agressividade.
E podemos fazer isso por meio do processo do perdão...
* Reconhecendo que não somos vítimas dos nossos relacionamentos e, sim, participantes deles.
* Optando por ver os outros como seres que nos amam ou, caso os percebamos como nossos agressores, optando por vê-los como seres cheios de medo.
* Lembrando que aquilo que percebemos nos outros e no mundo exterior é uma projeção dos pensamentos - quer positivos quer negativos - contidos em nossa mente.
* Tornando-nos "buscadores de amor" em vez de "buscadores de defeitos".
* Direcionando a nós mesmos e escolhendo ser interiormente pacíficos, não importando o que esteja acontecendo fora de nós..
Podemos começar a reconhecer que a cura dos nossos relacionamentos está diretamente ligada à Cura das Atitudes que estamos conservando em nossa mente a respeito desses relacionamentos.

AFIRMAÇÕES
1 - Escolho curar meu relacionamento comigo mesmo deixando que o hábito de julgar a mim mesmo se vá.
2 - Escolho unir-me aos outros, em vez de me separar deles, abandonando meus julgamentos sobre eles.
3 - Escolho rasgar todos os roteiros que escrevi para o modo como acho que as pessoas deveriam ser em minha vida.
4 - Escolho lembrar que o que realmente conta em meus relacionamentos não é quanto eu faço ou digo..., mas sim com quanto amor eu faço ou digo.
5 - As palavras que eu escolho em minhas comunicações sempre determinam se minha intenção é unir ou separar.
6 - Hoje, eu escolho lembrar-me de que realmente mereço o direito de ser feliz.
7 - Hoje, eu escolho desistir de me sentir uma vítima dos meus relacionamentos e assumirei a responsabilidade por minha vida.
8 - Sempre que ficar preso no passado ou no futuro, escolherei lembrar-me de que o amor só pode ser vivenciado no presente.
9 - Posso optar pelo amor em vez do medo, em todos os meus relacionamentos.
"O inimigo não está a nossa frente, mas dentro de nós. Defesas refletem feridas. Ataques são gritos por amor. Relacionamentos são uma oportunidades de saber quem somos".
(UCEM - Um Curso Em Milagres)
Fonte: Somos Todos Um

Posted by Lilia at 05:16 PM|Comments (0)
 
  22.06.09- Uma conversa franca sobre amor próprio

Chris Almeida

waterlilly_chelterpond27april 174_narrow_500.jpg

Muito se fala sobre auto-estima, mas poucas pessoas entendem o seu verdadeiro significado. Cuidar de sua autoestima vai muito além de visitar o cabeleireiro ou comprar aquela roupa nova. Aliás, estas nem são condições necessárias para o cultivo do amor próprio.

Todos conhecemos, em tese, a definição básica de autoestima: é a estima que tenho por mim mesmo, ou seja, o quanto me valorizo. O quanto me quero bem e me aceito.

Vamos aperfeiçoar esta definição, dizendo que a autoestima é um ato de amor e de confiança consigo mesmo. Precisamos entender bem que são as duas coisas juntas: o "amor próprio" e a "autoconfiança". Faltando um destes ingredientes, não teremos uma autoestima verdadeira.

Amar a si mesmo sem confiança nos seus atos ou pensamentos não resolve. Neste grupo temos as vítimas, aquelas pessoas que desejam algum "bem" para si, mas se lamentam por não terem condições de consegui-lo.

Confiança em seus projetos ou na sua capacidade de conquista sem o amor próprio também não traz felicidade. Neste último grupo, vemos a maioria das pessoas mergulhadas no estresse social, preocupadas em ter e poder, mas esquecendo de ser.

Infelizmente, trazemos uma tremenda dificuldade em cultivar estes dois ingredientes da auto-estima (o amor próprio e a autoconfiança), por eventos que se manifestaram desde a nossa criação. Quantas vezes, por medo do egoísmo, deixamos de lado nossa própria vontade para fazer tudo o que o outro queria. Só que auto-estima não tem nada a ver com o egoísmo. O egoísta é um ser vazio e solitário que precisa cada vez mais de coisas e pessoas que o preencham. Gente com boa auto-estima, apenas reconhece que, como qualquer ser humano, tem o direito de valorizar e satisfazer suas vontades.

Mas, aprendemos a cultivar uma "personalidade ideal" e, portanto, tivemos que engolir nossos sentimentos. Em nome de Deus, da moral ou da boa educação, o importante era "fazer a coisa certa", mesmo que aquilo estivesse contrariando nossa natureza.

Pior ainda quando passamos a desejar um "corpo ideal". O ideal é apenas um sonho, uma projeção. Com isto, vivenciamos um estado profundo de angústia, pois comparamos nosso corpo com "modelos" e percebemos o quão diferente somos daqueles seres perfeitos e maravilhosos que deveríamos ter sido.

Na verdade, a cultura, a mídia e até mesmo nossos familiares contribuíram fortemente para gerar este quadro: "Está na moda quem usa tal roupa" "Sem estudo você não é nada" "Você será aceito somente se fizer isto e não aquilo...". É claro que, muitas vezes, isto aconteceu por ignorância, e não por maldade. Se tivessem acesso a determinadas informações, certamente as atitudes de nossos pais seriam diferentes.

DESENVOLVENDO SUA AUTO-ESTIMA
O resgate da autoestima acontece quando você decide que só precisa ser quem você é. Você pode confrontar as opiniões, e não ficar preso a um único ponto de vista. Mas descobre que, se no passado era importante ouvir e respeitar as ordens dos adultos, hoje você pode ser dono (ou dona) de seu próprio destino. Passa a respeitar mais suas próprias idéias, porque, automaticamente, está se ouvindo mais. É por esta razão que gente que tem uma boa auto-estima nunca se sente sozinha, pois solidão é a distância que se tem de si próprio.

Entenda que você não veio a este mundo para corresponder às expectativas dos outros, por mais que você os ame. Se fizer isto, nunca será o "bastante", nunca sentirá que conseguiu. Você não é propriedade de ninguém, assim como não precisa mais assumir "o outro" como propriedade sua. Assumindo que você não é responsável pela felicidade alheia, também não responsabilizará ninguém pela sua própria felicidade. Os outros estão em sua vida para fazer companhia e não para se aprisionarem emocionalmente.

Cultivando sua autoestima, será uma pessoa mais consciente, mais responsável por seus atos. Sentirá que está mais íntegro e que é alguém valioso para si mesmo. Perceberá que tem todo o direito de honrar suas necessidades e vontades que considerar importantes. Aprenderá que merece ter atitudes de carinho consigo mesmo, como, por exemplo, preparar a mesa do café, mesmo quando está sozinho, ou permitir-se ir ao cinema, ainda que ninguém queira lhe fazer companhia. Você é a sua grande companhia, e, se entender isto, poderá iniciar uma das melhores fases de sua vida.

Chris Almeida é filósofo e psicoterapeuta
fonte: Mais de 50

Posted by Lilia at 12:55 PM|Comments (0)
 
  20.06.08- Fique amigo do seu 'sabotador interno'

Patricia Gebrim

sabotador_ipe_leugarden_350.jpg A vida, como você bem sabe, por melhor ou mais equilibrada que seja, sempre nos brinda com momentos de desafio. Momentos em que a paisagem ao nosso redor não é tão bonita, o clima não é tão ameno... bem... acho que você pode imaginar do que estou falando!
Mas hoje eu quero dizer a você, leitor, que como se não bastasse termos que lidar com esses desafios externos, temos ainda que lidar com um outro desafio, talvez não tão evidente, um desafio que vem de dentro de nós, e que muitas vezes se esconde em nossas profundezas de maneira tão disfarçada que mal o reconhecemos. Estou falando do sabotador interno.

Talvez você nunca tenha ouvido falar em algo assim, talvez até pareça maluco isso de que estamos falando. Como assim? “SABOTADOR INTERNO???”
Para ajudar você a entender isso, sugiro que você pense em quantas vezes na vida você quis algo, conscientemente, mas sem perceber acabou fazendo algo que ia exatamente contra aquilo que queria. Pensou?
Ok... vou dar alguns exemplos:
Pense naquelas vezes em que, apesar de saber que está acima do peso e querer recuperar sua saúde emagrecendo uns quilos, você atacou o prato de batatas fritas ou o bolo de chocolate.
Pense nas vezes em que você queria conquistar um emprego, mas na entrevista ficou simplesmente mudo e não conseguiu mostrar nem 20% da sua capacidade.
Pense nas vezes em que você tentou se controlar, mas acabou tendo uma explosão de raiva no lugar e no momento inadequado.
O que quero dizer é que existem muitas partes de nós mesmos. E que nem sempre elas estão em acordo. E que uma dessas partes, o sabotador interno, definitivamente não está ao nosso lado. Ele se esconde, nos engana, e sempre que pode tira o tapete de nossos pés.
Esse sabotador existe porque ainda temos muitas crenças distorcidas, que trazemos de nossa infância. Essas crenças foram construídas a partir da maneira como, lá atrás, achamos que funcionava o mundo ao nosso redor.
Quando crianças, muitas vezes acabamos acreditando que não merecíamos ser amados, valorizados, reconhecidos... e por aí vai. Nos sentimos tantas vezes “maus”, nos sentimos tantas vezes “falhos”, “errados”, “imperfeitos”... que uma parte de nós acabou achando que não merecemos agora receber o que a vida tem de belo e bom. Essa parte acredita que merecemos sofrer, e gentilmente nos ajuda a ir nessa direção, estragando nossos planos mais belos, pisando sobre nosso amor e rindo de nossas tentativas de crescimento.O que ele quer de mim afinal?

Acredite ou não, ele é seu servo. Esse sabotador serve você fazendo com que as suas crenças se tornem reais. Mais ou menos assim...
(Você pensando) “Que droga, eu não consigo acertar nunca... nada dá certo para mim!”
(O Sabotador) “ Ok, meu amo e senhor ... assim seja!”- e faz você ir para a sua prova e simplesmente esquecer tudo, tudinho. Ele é tão bom que torna sua mente um grande e silencioso branco!
(Você, (que foi muito mal na prova) “Está vendo... eu não dou certo mesmo!”
(Ele, com um sorriso...) “Missão cumprida!”

Ele existe, E FOI VOCÊ QUEM O CRIOU!!!! Logo, não adianta querer matá-lo, ou expulsá-lo... ele é parte de você, lembra?
Logo, se em sua vida estiverem acontecendo muitos atos de autosabotagem, você precisa rever suas crenças a seu próprio respeito. Precisa fazer um trabalho de autoconhecimento, jogar fora aquilo em que já não acredita mais, construir uma nova visão a seu próprio respeito. Precisa aprender a ver a si próprio como uma pessoa merecedora de todas as coisas boas que a vida tem a oferecer. Precisa confiar mais em você mesmo, na sua capacidade de criar uma vida mais harmoniosa.

Nós somos os criadores de nossa vida. Podemos criar nossa vida a partir da luz clara da nossa consciência; ou podemos criar a nossa vida a partir dos atos inconscientes desse sabotador interno. E quando é assim que acontece, quando criamos inconscientemente, acabamos achando que não fomos nós que fizemos aquilo, acabamos tendo a tendência de nos sentir vítimas da vida ou de alguém.
É preciso mudar, libertar-se. A hora é agora! Pegue uma lanterna, proteja-se com o manto da verdade e embarque nessa busca sagrada pelo seu sabotador. Ele mora nas suas profundezas. E quando o encontrar, batam um longo papo. Conte a ele a nova pessoa que você é agora e dê a ele outra função em sua vida. Vai ser um alívio... para ele e para você!

Fonte: Vya Estelar
[Imagem: será ipê?, lilia lima]

Posted by Lilia at 11:53 PM|Comments (0)
 
  04.03.08- Senhora de si

Eneida Lima

sunrise_merrittislandrefuge_1match12_650.jpg

A única certeza que temos é a certeza da incerteza. De que tudo é mutável, passível de transformação. Em que situação podemos ter a certeza de que tomamos a melhor decisão? Como ter absoluta certeza de que um caminho é melhor, se não percorremos os outros?

As certezas da vida exterior não dependem de nós. Estão sujeitas a interferências de mudanças insuspeitáveis. A certeza de que podemos ir conquistando, paulatinamente, são as nossas certezas interiores. Através do entendimento dos nossos sentimentos, vamos desenvolvendo a autoconfiança e, com isso, a auto-estima também se desenvolve.

A auto-estima está ligada à nossa atitude existencial. Se eu acredito que o outro é mais do que eu, mais bonito, mais inteligente, mais poderoso, é porque eu me coloco numa posição de ser menos. Se eu, em detrimento da minha vontade e opinião, me subjugo, dando prioridade aos desejos de outrem, torno-me fragilizada. A fraqueza do ego está, justamente, na fragmentação. Ou seja, na não-coesão consigo mesmo. Quanto mais eu me divido e disperso minha energia para agradar a outros, mais eu me torno vulnerável a dúvidas e indecisões. Sinto-me fraca e impotente diante das situações. Nunca sei qual é a melhor maneira de fazer tal ou qual coisa. Querendo agradar a todos, desagrado a mim mesma. Certamente não podemos agradar a todos ao mesmo tempo. E, se não tenho uma relação de cumplicidade comigo mesma, se não estou de mãos dadas com a minha consciência, me afasto de mim.

Olhar para dentro de si e reconhecer a pessoa que se é. Olhar para o mundo e perceber a complexidade da simplicidade da existência. Isto faz com que sintamos a grandiosidade e o respeito por tudo que existe. E nós fazemos parte desse universo. Aquele que se deprime e se acha menos, está esquecendo de sua verdadeira identidade. Está se afastando de seu mais rico patrimônio: o Ser.

Desenvolver a confiança, buscando olhar para a essência das coisas e das pessoas. Ter a certeza de que o mundo é fruto da energia que colocamos nele. Os estudos do pesquisador japonês Masaru Emoto sobre a receptividade das moléculas de água mostram essa relação. Masaru demonstrou que o arranjo da estrutura molecular da água apresentava mudanças expressivas quando em ambiente de energias vibracionais humanas como pensamentos, palavras, orações e música.

Vibrar positivo, vibrar colorido, vibrar com amor e alegria, certamente vão tornar nossa alma senhora de si!

[Imagem: nascer do sol, tustiville, florida. lilia lima]

Posted by Lilia at 01:37 PM|Comments (0)
 
  13.02.08- CULPA: A BUSCA DA PERFEIÇÃO

Antônio Roberto Soares

greyheron_flyingrefugemerrittisland_9fev_500.jpg

Por detrás de nossas tristezas e frustrações, de nossas insatisfações na vida, de nossos tédios e angústias, está um sentimento, o mais arraigado em nosso comportamento e responsável por grandes sofrimentos psicológicos, que é o sentimento de culpa. O sentimento de culpa é o apego ao passado, é uma tristeza por alguém não ter sido como deveria ter sido, é uma tristeza por ter cometido algum erro que não deveria ter cometido. O núcleo do sentimento de culpa são estas palavras: "Não deveria...". A culpa é a frustração pela distância entre o que nós fomos e a imagem de como nós deveríamos ter sido. Nela consiste a base para a auto-tortura. Na culpa, dividimo-nos em duas pessoas: uma real, má, errada, ruim, e uma ideal, boa, certa e que tortura a outra. Dentro de nós processa-se um julgamento em que o Eu ideal, imaginário, é o juiz e o Eu real, concreto, humano, é o réu. O Eu ideal sempre faz exigências impossíveis e perfeccionistas. Assim, quando estamos atormentados pelo perfeccionismo, estamos absolutamente sem saída. Como o pensamento nos exige algo impossível, nunca o nosso Eu real poderá atendê-lo. Este é um ponto fundamental.

Muitas pessoas dedicam a sua vida a tentar realizar a concepção do que elas devem ser, em vez de se realizarem a si mesmas. A diferença entre auto-realização e realização da imagem de como deveríamos ser é muito mais importante. A maioria das pessoas vive apenas em função da sua imagem ideal e este é um instrumento fenomenal para se fazer o jogo preferido do neurótico: a auto-tortura, o auto aborrecimento, o auto-castigo, a autopunição, a culpa.

Quanto maior for a expectativa a nosso respeito, quanto maior for o modelo perfeccionista de como deve ser a nossa vida, maior será o nosso sentimento de culpa. A culpa é a tristeza por não sermos perfeitos, é a tristeza por não sermos Deus, por não sermos infalíveis; é um profundo sentimento de orgulho e onipotência; é uma incapacidade de lidar com o erro, com a imperfeição; é um desejo frustrado; é o contato direto com a realidade humana, em contraste com as suas intenções perfeccionistas, com os seus pensamentos megalomaníacos a respeito de si mesmo. E o mais grave é que aprendemos o sentimento de culpa como virtude!

A culpa sempre se esconde atrás da máscara do auto-aperfeiçoamento como garantia de mudança e nunca dá certo. Os erros dos quais nos culpamos são aqueles que menos corrigimos. A lista de nossos "pecados" no confessionário é sempre a mesma. A culpa, longe de nos proporcionar incentivo ao crescimento, faz-nos gastar as energias numa lamentação interior por aquilo que já ocorreu, ao invés de as gastarmos em novas coisas, novas ações e novos comportamentos. Por isto mesmo, em todas as linhas terapêuticas, este é um sentimento considerado doentio. Não existe nenhuma linha de tratamento psicológico que não esteja interessado em tirar dos seus pacientes o sentimento de culpa. A culpa é um auto-desprezo, um auto-desrespeito pela natureza humana, por seus limites e pela sua fragilidade. A culpa é uma vingança de nós mesmos por não termos atendido a expectativa de alguém a nosso respeito, seja esta expectativa clara e explícita, ou seja uma expectativa interiorizada no decorrer da nossa vida. Por isto é que se diz que, ao nos sentirmos culpados, estamos alienados de nós mesmos, e a nossa recriminação interna não é, nem mais nem menos, do que vozes recriminatórias dos nossos pais, nossas mães, nossos mestres ou outras pessoas que ainda residem dentro de nós.

Mas aquilo que nos leva a esse sentimento de culpa, aquilo que alimenta esta nossa doença auto-destrutiva, são algumas crenças falsas. Trabalhar o sentimento de culpa é, primordialmente, descobrir as convicções falsas que existem em nós, aquelas verdades em que cremos e que são errôneas, e nos levam a este sentimento. A primeira delas é a crença na possibilidade da perfeição. Quem acredita que é possível ser perfeito, quem acha que está no mundo para ser perfeito, quem acha que deve procurar na sua vida a perfeição, viverá necessariamente atormentado pelo sentimento de culpa. A expectativa perfeccionista da vida é um produto da nossa fantasia, é um conceito alienado de que é possível não errar, que é possível viver sem cometer erros.

Quanto maior for a discrepância entre a realidade objetiva e as nossas fantasias, entre aquilo que podemos nos tornar através do nosso verdadeiro potencial e os conceitos idealistas impostos, tanto maior será o nosso esforço na vida e maior a nossa frustração. Respondendo a esta crença opressora da perfeição, atuamos num papel que não tem fundamento real nas nossas necessidades. Nos tornamos falsos, evitamos encarar de frente as nossas limitações e desempenhamos papéis sem base na nossa capacidade. Construímos um inimigo dentro de nós, que é o ideal imaginário de como deveríamos ser e não de como realmente somos. Respondendo a um ideal de perfeição, nós desenvolvemos uma fachada falsa para manipular e impressionar os outros.

É muito comum, no relacionamento conjugal, marido e mulher não estarem amando um ao outro e, sim, amando a imagem de perfeição que cada um espera do outro. É claro que nenhum dos parceiros consegue corresponder a esta expectativa irreal e a frustração mútua de não encontrar a perfeição gera tensões e hostilidades, num jogo mútuo de culpa. Esta situação se aplica a todas as relações onde as pessoas acreditam que amar o outro é ser perfeito. Quando voltamos para nós exigências perfeccionistas, dividimo-nos neuroticamente para atender ao irreal. Embora as pessoas acreditem que errar é humano, elas simplesmente não acreditam que são humanas! Embora digam que a perfeição não existe, continuam a se torturar e a se punir e continuam a torturar e a punir os outros por não corresponderem a um ideal perfeccionista do qual não querem abrir mão.

Outra crença que nos leva à culpa, esta talvez mais sutil, mais encoberta e profunda, é acreditarmos que há uma relação necessária entre o erro e a culpa, é a vinculação automática entre erro e culpa. Quase todas as pessoas a quem temos perguntado de onde vêm os seus sentimentos de culpa, nos respondem taxativamente que vêm de seus erros. Acreditamos que a culpa é uma decorrência natural do erro, que não pode, de maneira alguma, haver erro sem haver culpa. Se acreditamos nisto, estamos num problema insolúvel. Ou vamos passar a vida inteira tentando não errar para não sentirmos culpa - e isto é impossível porque sempre haverá erros em nossa vida - ou então passaremos a vida inteira nos sentindo culpados porque sempre erramos. Essa vinculação causal entre erro e culpa é profundamente falsa. A culpa não decorre do erro, mas da maneira como nos colocamos diante do erro; vem do nosso conceito relativo ao erro, vem da nossa raiva por termos errado. Uma coisa é o erro, outra coisa é a culpa; erros são erros, culpa é culpa. São duas coisas distintas, separadas, e que nós unimos de má fé, a fim de não deixarmos saída para o nosso sentimento de culpa. O erro é o modo de se fazer algo diferente, fora de algum padrão.

O que é chamado erro é a saída fora de um modelo determinado, que pode ser errado hoje e não amanhã, pode ser errado num país e não ser errado em outro. A culpa é um sentimento, vem de nós, vem da crença de que é errado errar, que não podemos errar, que devemos ser castigados pelas faltas cometidas; crença de que a cada erro deve corresponder necessariamente um castigo, de que a cada falta deve corresponder uma punição. Aliás, o sentimento de culpa é a punição que damos a nós mesmos pelo erro cometido. Não é possível não errar, o erro é inerente à natureza humana, ele é necessário a nossa vida. Na perfeição humana está incluída a imperfeição. Só crescemos através do erro.

As pessoas confundem assumir o erro com sentir culpa. Assumir o erro é aceitar que erramos, é nos responsabilizarmos pelo que fizemos ou deixamos de fazer. Mas quando acreditamos que a culpa decorre do nosso erro, tentamos imputar a outros a responsabilidade dos nossos erros, numa tentativa infrutífera de acabar com a nossa culpa.

A propósito do erro, há um texto interessantíssimo no livro "Buscando Ser o que Eu Sou", de Ilke Praha, que diz: "O perfeccionismo é uma morte lenta. Se tudo se cumprisse à risca, como eu gostaria, exatamente como planejara, jamais experimentaria algo novo, minha vida seria um repetição infinda de sucessos já vividos. Quando cometo um erro vivo algo inesperado. Algumas vezes reajo ao cometer erros como se tivesse traído a mim mesmo. O medo de cometer erros parece fundamentar-se na recôndita presunção de que sou potencialmente perfeito e de que, se for muito cuidadoso, não perderei o céu. Contudo, o erro é uma demonstração de como eu sou, é um solavanco no caminho que tracei, um lembrete de que não estou lidando com os fatos. Quando der ouvidos aos meus erros, ao invés de me lamentar por dentro, terei crescido". Este é o texto.

Algumas pessoas nos perguntam: "Mas como avançar em relação a este sentimento, como arrancar de mim este hábito de me deprimir com os erros cometidos?". Só existe uma saída para o sentimento de culpa. Façamos uma fantasia: imaginemos por um instante que estamos à morte e nossos sentimentos deste momento são de angústia, tristeza e frustração por todos os erros cometidos, por tudo o que deveríamos ter feito e não fizemos; remorsos pelos nossos fracassos como pai, como mãe, como profissional, como esposo, como esposa, como religioso, como cidadão, mas, ao mesmo tempo, estamos com um profundo desejo de morrer em paz, de sair desse processo íntimo de angústia e morrer tranquilos. Qual a única palavra que, se pronunciada neste momento, sentida com todo coração, teria o poder de transformar a nossa dor em alegria, o nosso conflito em harmonia, a nossa tristeza em felicidade? Somente uma palavra teria essa magia. A palavra é: Perdão.

O Perdão é uma palavra perdida em nossa vida. O primeiro sentimento que se perde no caminho da loucura é o sentimento de perdão, o sentimento de auto-perdão. Se a culpa é a vergonha da queda, o auto-perdão é o elo entre a queda e o levantar de novo. O auto-perdão é o recomeço da brincadeira depois do tombo: "Eu me perdôo pelos erros cometidos, eu me perdôo por não ser perfeito, eu me perdôo pela minha natureza humana, eu me perdôo pelas minhas limitações, eu me perdôo por não ser onipotente, por não ser onipresente, por não ser onisciente, eu me perdôo por...". O perdão é sempre assim mesmo, é pessoal e intransferível.

O perdão aos outros é apenas um modo de dizermos aos outros que já nos perdoamos. Perdoarmo-nos é restabelecer a nossa própria unidade, a nossa inteireza diante da vida, é unir outra vez o que a culpa dividiu, é uma aceitação integral daquilo que já aconteceu, daquilo que já passou, daquilo que já não tem jeito; é o encontro corajoso e amoroso com a realidade.

Somente aqueles que desenvolveram a capacidade de auto-perdão conseguem energia para uma vida psicológica sadia. A criança faz isto muito bem. O perdão é a própria aceitação da vida do jeito que ela é, nos altos e nos baixos. O auto-perdão é a capacidade de dizer adeus ao passado, é a aceitação de que o passado é uma fantasia, é apenas saber perder o que já está perdido. O auto-perdão é um sim à vida que nos rodeia agora, é uma adesão ao presente, à única coisa viva que possuímos, que são nossas possibilidades neste momento. Não podemos abraçar o presente, a vida, o passado e a morte ao mesmo tempo. O perdão é uma opção para a vida, o auto-perdão é a paciência diante da escuridão, é o vislumbre da aurora no final da noite. O auto-perdão é o sacudir da poeira, é a renovação da auto-estima e da alegria de viver, é o agradecimento por sabermos que mais importante do que termos cometido um erro é estarmos vivos, é estarmos presentes.

Para encerrar este tema, quero sugerir-lhes uma reflexão sobre este texto escrito por Frederick Pearls: "Que isto fique para o homem! Tentar ser algo que não é, ter idéias que não são atingíveis, ter a praga do perfeccionismo de forma a estar livre de críticas, é abrir a senda infinita da tortura mental. Amigo, não seja um perfeccionista. Perfeccionismo é uma maldição e uma prisão. Quanto mais você treme, mais erra o alvo. Amigo, não tenha medo de erros, erros não são pecados, erros são formas de fazer algo de maneira diferente, talvez criativamente nova. Amigo, não fique aborrecido por seus erros. Alegre-se por eles, você teve a coragem de dar algo de si".

imagem: grey heron flying, lilia lima

Posted by Lilia at 01:51 PM|Comments (0)
 
  12.10.07- Fé sem perdão não funciona

Cristina Cairo

greyheron_lakevirginia_sunrise_4april_350.jpg O perdão é a forma de provar a si mesmo que as emoções negativas estão sob o seu controle e que você conhece seu próprio potencial para conquistar novos caminhos. com esse desprendimento e com essa confiança em si mesmo, você poderá ”soltar” de sua mente os acontecimentos desagradáveis, pois na verdade tudo que vivenciamos faz parte do nosso crescimento e nos impulsiona a compreender os sentimentos das outras pessoas. Ninguém nos agride, nos trai, nos abandona ou nos rouba, sem que tenhamos, consciente ou inconscientemente, provocado tais comportamentos. Mesmo em se tratando de acontecimentos vindos de pessoas estranhas, nosso poder de atração é o responsável por isso. Saiba que existem duas leis no Universo, sem as quais não haveria ordem planetária no sistema solar nem no ecossistema e tudo seria o caos: os semelhantes se atraem e Lei da compensação.

A primeira reação de quem recebe essa informação é de incredulidade, pois é difícil entender como podemos ”ser semelhantes” às pessoas que nos fazem mal.
Sempre temos algo em comum com quem nos faz infeliz. Se abandonarmos o sentimento de vergonha, os preconceitos e o orgulho, encontraremos estreitos laços com esses acontecimentos ou com essas pessoas. Temos sempre, guardado na manga, um pensamento que achamos incorreto mas que nunca ”mostramos”, seja devido aos padrões morais ou sociais, ou, até mesmo, profissionais. Isso nos torna inconscientes do que realmente sentimos em relação a nós mesmos. Constantemente submetidos a opiniões externas, passamos a enxergar somente o que está do lado de fora de nossa personalidade. Portanto, conheça-se melhor antes de negar a verdade que se esconde por trás do medo de não estar sendo bom ou perfeito com os outros ou com você mesmo.
Aprenda a se conhecer sob todos os aspectos aceitando, com a maior naturalidade, as alegrias e as tristezas. Isso o ajudará a corrigir o ”leme” de seus pensamentos, afastando, cada vez mais, os ”semelhantes desagradáveis” da sua vida. Antes de mais nada, perdoe-se e você verá como será fácil perdoar aos outros.
Sempre que guardamos mágoas, ressentimentos, ódio, etc., mais cedo ou mais tarde, somatizamos uma doença para justificar a perda de energia que tivemos, devido à situação provocada por aqueles sentimentos.
Perdoar verdadeiramente é questão de inteligência!
Quando a doença não desaparece, nós sabemos que a pessoa não perdoou.
Quando você ”achar” que perdoou, desconfie de você mesmo e volte, conscientemente, àquela situação que causou a mágoa. Se você ignorar o acontecimento e olhar a outra pessoa com carinho e bondade, sentindo o coração livre e com esperanças renovadas, saiba, então, que você perdoou verdadeiramente.
De nada adiantará rezar e suplicar pela cura se seu coração está bloqueando a energia vital, mantendo vibrações opostas ao bem.

A vibração do amor de Deus depende da vibração que você emana. Portanto, se você não conseguir tornar seus sentimentos livres das emoções negativas, sua vida estará presa a um círculo vicioso.
Raiva e mágoa são como um muro alto que esconde o sol de nossa casa! Assim são nossos sentimentos passados. Livre-se deles e, com certeza, sua saúde voltará a brilhar.
Doença não existe! Saúde é o estado normal das pessoas!
Doença é apenas uma nuvem de mau tempo dentro de sua cabeça que perdura enquanto perdurar sua mágoa, seu ódio, seu medo, etc.
Aprenda a aprender com a vida. É nela que você pode criar e recriar. Brinque com o destino. Faça como as crianças que vivem aquilo que imaginam como se fosse real. Dê a si mesmo o direito de sonhar: o pensamento é força criadora. Crie um mundo melhor para você, perdoando a tudo e a todos. ”Solte” o passado de uma vez para não deixar seu futuro ser um constante passado sem expressão e sem mudanças.
A vida nova só existe quando o passado é esquecido. Se você não sabe perdoar, também não é digno da saúde que procura!
Na Bíblia está escrito.- ”Perdoa setenta vezes sete”.

Fonte: trecho do livro "linguagem do corpo", de Cristina Cairo.
[Imagem: garça lake virginia, lilia lima]

Posted by Lilia at 10:57 PM|Comments (0)
 
  26.08.05- Aprendendo a perdoar a si mesmo

Rosemeire Zago

aprendendoperdoar-VanGogh-Sunflowers.jpg Algumas pessoas prejudicam outras e pedem perdão, que pode ser aceito ou não; mas há algumas atitudes em que o único prejudicado é você mesmo. Se você vive apontando seu dedo indicador constantemente para seu próprio nariz, cuidado!

A culpa varia de acordo com crenças e valores que cada um traz consigo desde a infância, e que muitas vezes não corresponde mais aos valores e crenças atuais. Culpa, remorso, arrependimento, são inimigos constantes de algumas pessoas e traz junto a humilhação, vergonha, o medo e a maior conseqüência: a autopunição.

Perdoar a si mesmo talvez seja um dos maiores desafios, pois está relacionado com a capacidade - e leia-se também dificuldade - que cada um tem de se amar e se aceitar. As pessoas não se amam por acreditarem terem feito algo muito terrível, às vezes isso até corresponde à verdade, mas muitas vezes não.

Algumas chegam ao máximo de se culparem por terem nascido e sentem-se como um grande fardo. Para compensarem essa rejeição sentida em algum momento de sua vida, passam a vida tentando mostrar aos outros o quanto são úteis, importantes, como que para provarem para si próprias que são merecedoras da vida.


Procure observar se busca aprovação e reconhecimento de pais, amigos, das pessoas em geral, se está sempre à disposição de todos, cedendo em quase tudo, pela necessidade inconsciente de agradar, ser aceito, mas que muitas vezes confunde-se com a desculpa de querer ajudar e que na verdade oculta a busca pelo amor e atenção.

Por exemplo, as pessoas por não se sentirem amadas quando crianças e não acreditarem em si mesmas passam a ignorar os próprios sentimentos e recorrem à fuga pela comida, como forma de compensação e obtenção do prazer. Com isso, se culpam e como punição, engordam.

Não conseguindo eliminar alguns quilos, mais culpas e assim, desviam o foco da origem de tudo para a comida. O foco passa a ser emagrecer e não o que as levou a engordar. Negam a si mesmas a subnutrição emocional que sentem e que pode levá-las a sentimentos de vazio e fome.

A comida passa a representar uma maneira de alimentar e preencher um vazio emocional. Ou seja, inconscientemente desviam a atenção dos problemas para a necessidade de emagrecer, os problemas continuam ou aumentam por não serem resolvidos e acabam consumindo mais calorias do que o corpo necessita, engordam, culpam-se, punem-se, criando-se assim, um círculo vicioso.

O perdão oferece saída para esse círculo vicioso, como uma escolha consciente de mudança. Será que a verdadeira causa está sendo considerada? Do contrário, tudo tende a piorar. Será que essa fome, esse vazio, não seria a necessidade, também inconsciente, de amor? É preciso perceber que a comida não será transformada em afeto, amor, mas apenas em gordura quando consumida de forma descontrolada. Por que não buscar outras fontes de prazer?

Uma maneira de cultivar a culpa é estar sempre exigindo perfeição de si mesmo. A anorexia e bulimia são exemplos disso. Nunca há satisfação consigo mesmo, gerando culpa, insatisfação e uma enorme dificuldade de se perdoar. Tudo que faz poderia ser melhor. Não importa o que faça ou conquiste. Ou o pior, não importa quem se é, parece que nunca é o bastante.

Para se livrar disso tudo faça uma lista de tudo aquilo que você se culpa, aquilo que fez e não fez. Seja honesto consigo mesmo. Depois, pense sobre as motivações que o fizeram fazer certas escolhas, agir de determinada forma e, ao invés de se culpar, punir ou se castigar, comece a lembrar que muitas escolhas foram feitas porque era o melhor que se podia fazer naquele momento e que na verdade, tudo foi avaliado com valores da época e que nem sempre serão os mesmos neste momento. Nunca julgue situações passadas com valores do presente.

Para perdoar-se é preciso rever todas suas crenças, valores, que muitos esquecem que com o tempo podem, e devem, se modificar. Analisar o que fez ou deixou de fazer para poder mudar e crescer é válido, como sentir remorso pela dor que pode ter causado a alguém e pedir perdão. Mas se esse remorso começar a dominar sua vida, estará alimentado seu papel de vítima e a autopiedade. Livre-se disso. Você deve aprender e crescer com a experiência passada e isso não quer dizer se punir eternamente por algo já feito.

Perdoar a si mesmo exige uma completa honestidade e integridade para que se alcance a cura de tantos males, de tanta falta de amor-próprio. É um processo de reconhecer a verdade, assumir a responsabilidade pelo que fez, aprender com a experiência, reconhecer os sentimentos que motivaram determinados comportamentos, abrir seu coração para si mesmo, ouvir seus medos, curar certas feridas e isso você pode conseguir sendo amoroso e responsável consigo mesmo.

Você pode e deve se livrar de certos padrões de pensamentos e sentimentos. Mude o que não acredita mais, livre-se de tudo que te faz mal, cure a ferida que mais lhe dói, cure sua vida emocional. A verdadeira cura é fazer as pazes consigo mesmo. O poder curativo do perdão e do amor talvez seja o remédio mais poderoso que temos. E está nas mãos de cada um de nós. E você pode começar com você mesmo!

Fonte: Cyber Diet

[Imagem: VanGogh, "Sunflowers"]

Posted by Lilia at 08:25 AM|Comments (0)
 
  17.08.05- O lado bom do perdão

ladobomperdao-Helen-Frankenthaler-Eve.jpg Se guardar mágoas e alimentar sentimentos de vingança permitem ilusões como a de que somos perfeitos, perdoar leva à libertação

Maria Helena Matarazzo

Todos fomos machucados na vida. Todos fomos rejeitados por um amante, traídos por um amigo, passados para trás numa promoção. Apesar de aprendermos que "perdoar é esquecer" ("o que passou, passou"), a maioria de nós acredita que as pessoas que nos feriram devem pagar pela dor que nos causaram; afinal, elas merecem ser castigadas, mesmo que inconscientemente ("nada como um dia atrás do outro" ou "um dia a pessoa vai ver o que perdeu").

Não se trata de esquecer a maldade alheia ou minimizar o próprio sofrimento. Para ser capaz de um perdão verdadeiro e sadio basta entender que ele traz muito mais benefícios do que o rancor.

Na verdade, temos muito o que aprender com essas experiências. Em primeiro lugar, perdoar não é retaliar, se vingar ou fazer o outro sofrer tanto quanto nos fez sofrer. Mas, por outro lado, perdoar não é esquecer, deixar para trás quilômetros de mágoa, toneladas de ressentimentos ou ainda fechar os olhos e deixar os "bandidos" se darem bem com as trapaças que cometeram.

Quando perdoamos as pessoas que nos machucaram, não estamos dizendo que o que foi feito contra nós não teve importância ("não foi nada") ou não deixou marcas profundas (aquelas a ferro e fogo). Essas perdas foram terríveis e fizeram grande diferença em nossa vida, mas nos ensinaram muitas coisas: tanto a não nos tornarmos vítimas novamente, como não fazermos o mesmo para terceiros.

De fato, algumas pessoas perdoam, outras não, outras estão tentando. Porém, fingir que perdoamos, ranger os dentes, engolir em seco, não é perdoar. Os terapeutas americanos Sidnei e Suzanne Simon, em seu livro Forgiveness, explicam o que significa perdoar e não perdoar. Começam dizendo que não perdoar tem certas vantagens porque nos dá algumas ilusões.

A primeira, e mais comum, é a ilusão de que, se aquele problema não tivesse acontecido, nossa vida seria perfeita. Só bastaria que as coisas tivessem sido diferentes e não tivéssemos sido machucados naquela época e pela pessoa que nos machucou; agora, estaríamos "numa boa". Mas, como aquilo aconteceu, temos a explicação ideal, a desculpa perfeita para estarmos e ficarmos na pior ( a responsabilidade da nossa infelicidade é sempre do "outro").

Em segundo lugar, não perdoar nos dá ilusão de sermos perfeitos. Os maus, os bandidos, são os que nos machucaram, e se nós os perdoarmos nunca mais poderemos dividir o mundo ao meio, todos os mocinhos de um lado e todos os bandidos de outro. Vamos ter de aceitar que as pessoas são "híbridas", potencialmente boas e más. Tanto os outros quanto nós mesmos.

Não perdoar também nos dá a ilusão de força, de poder ("agora eu controlo"). Não perdoar ajuda a compensar a sensação de falta de poder que nós sentimos quando fomos machucados. De fato, se trancarmos na prisão de nossa mente essas pessoas que nos machucaram, vamos nos sentir onipotentes ("agora é minha vez") pela força do nosso ódio silencioso.

E, por último, não perdoar nos dá a ilusão de que não seremos machucados outra vez. Mantendo a dor viva, os olhos bem abertos para qualquer perigo em potencial, reduzimos o risco de voltamos a sofrer rejeição, traição ou qualquer outra forma de ferimento.

Mas será que os benefícios de não perdoar valem o preço que pagamos por armazenar essas mágoas, remoer esses sentimentos e nos agarrarmos com unhas e dentes à dor do passado? Será que vale a pena continuarmos alimentando a raiva, revidando com palavras ou com silêncio e assim nunca sentirmos o verdadeiro prazer de viver?

O perdão se torna uma possibilidade quando a dor do passado para de reger nossas vidas; quando não precisarmos mais do ódio e do ressentimento como desculpas para obter menos da vida do que queremos ou merecemos. Perdoar é chegar à conclusão de que já odiamos bastante e não queremos odiar mais; portanto, perdoar é usar a energia da vida, não para reprimir esses sentimentos, mas para quebrar o ciclo da dor se voltando para o futuro e não machucando outras pessoas como fomos machucados.

Há quem diga que perdoar é escolher entre se vingar e se aproximar, entre ser vítima ou sobrevivente. Na realidade, perdoar é um processo que vem de dentro. É uma libertação. Uma aceitação. Perdoar é aceitar que a coisas ruins podem e de fato acontecem na vida das pessoas, e que as pessoas mesmo quando amam, se machucam. Perdoar é um sentimento de bem-estar, é reconhecer que existe algo melhor que queremos fazer com a energia da vida e fazê-lo.

Fonte: Mais de 50

Posted by Lilia at 12:05 PM|Comments (0)
 
  18.07.05- Aprenda a se amar!

Rosemeire Zago

aprendaseamar-bettman-mirrorednude.jpg Você já reparou que por vezes queremos abraçar o mundo, quando na verdade não conseguimos abraçar a nós mesmos? Qual foi a última vez que você se abraçou?

Queremos cuidar de todos, quando não conseguimos, ou não sabemos, cuidar de nós e nem daqueles que amamos. Porque quando não recebemos amor e atenção de nossos genitores da forma que desejávamos quando crianças, passamos a vida em busca deste amor em forma de reconhecimento e aprovação.

Esperamos sempre, consciente ou inconscientemente, que alguém reconheça nosso valor, e quando não acontece, perdemos nosso referencial interno e também, nossa auto-estima. Esperamos aprovação pelo que fazemos e acima de tudo, pelo que somos e realizamos. E quando não somos reconhecidos, principalmente por pessoas significativas, deixamos de acreditar em nossa capacidade.

Assim, passamos a buscar amor sempre no outro, e nunca dentro de nós. Esquecemos o quanto é essencial aprendermos a nós amar. Em alguns momentos perdemos nosso amor-próprio e com ele nossa confiança, por isso a opinião dos outros se torna tão importante. Quantas vezes você disse a si mesmo do seu próprio amor? Quantas vezes você disse que se ama? Nunca? Pode ser! Mas nunca é tarde para começar.

Do mesmo modo que nosso físico precisa de água e alimento, nossas emoções também precisam ser alimentadas. Mas estamos sempre esperando que o outro nos ame, nos abrace, que reconheça nosso valor, demonstre o quanto somos importantes, pois não nos sentimos capazes. Por que não nos amamos? Não nos aprovamos? Não nos sentimos importantes? Já pensou que se não nutrirmos estes sentimentos por nós mesmos, como podemos esperar que alguém o faça, e ainda mais, que faça melhor que nós? Por que desprezamos tanto nossa capacidade? Já pensou sobre isso?

É preciso aprender a identificar cada sentimento, sabendo o que sente e depois respeitar estes mesmos sentimentos e não desprezá-los. Não nos respeitamos e depois reclamamos que os outros não nos respeitam. Quantas vezes você sentiu algo e ignorou este sentimento para você mesmo? Muitas vezes isto acontece porque durante a vida, as pessoas tidas como significativas, ignoraram suas reais necessidades emocionais e com o tempo você aprendeu a fazer o mesmo. Por que desprezaram sua dor, você vai fazer igual? Pare com esse círculo vicioso. Olhe para dentro de você. Não como quem olha no espelho, superficialmente e tentando encontrar algum defeito, e porque até neste momento a imagem refletida é invertida. Olhe de verdade para dentro de seu ser, de sua alma. Deixe o medo de lado, pois ele não permite que você cresça. Enfrente-o e acredite que irá descobrir muitas qualidades que talvez ninguém reconheça, mas que há dentro de você. E se encontrar defeitos, quem não os têm? Olhe para eles com carinho, para mudar cada um, se quiser.

Transforme este momento no que podemos chamar verdadeiramente de crescimento, evolução. Liberte-se das necessidades não supridas de amor, aprovação, reconhecimento e saiba que só você pode se aprovar. Aprenda a se abraçar, se respeitar, se aceitar, se amar. Dê a si mesmo todo o amor que espera receber de alguém, pois só assim você poderá ser realmente amado e amar. Liberte-se das culpas, perdoe e perdoe-se! Liberte-se também das mágoas e dos ressentimentos do passado que só aprisionam e machucam tanto.

Agora coloque a folha em algum lugar para que fique com as mãos livres e faça o seguinte exercício: coloque sua mão direita sobre seu braço esquerdo e sua mão esquerda sobre seu braço direito. Pronto! Você está aprendendo a se abraçar. Abrace-se com carinho, fale do quanto você é capaz, do quanto você pode conquistar com seus próprios méritos. Fale do quanto acredita em você e principalmente, do quanto você se ama. Fale que a partir de agora, só você mesmo pode aprovar ou não o que faz. Se ninguém o ama, você se ama. Se ninguém vibra com suas conquistas, você mais do que ninguém passará a valorizar e a celebrar cada uma delas.

Não espere mais que o “outro” venha te salvar, venha te aprovar e reconhecer tudo de bom que faz. Pare de colocar sua vida e seus sentimentos, que é tudo que você tem de mais valioso, nas mãos de alguém. É claro que você pode dividir tudo isso com alguém que seja muito especial e que o ame muito, do contrário, guarde tudo só para você.

Agora olhe para dentro de você, sem medo, para que possa se descobrir. Perceba sua essência, deixe brilhar sua luz, pois só assim encontrará paz e poderá valorizar sua maior dádiva: sua vida neste momento presente! Afinal, o passado já se foi... e o amanhã, ah, o amanhã! Quem saberá? Por isso, a hora de começar é agora, faça seu melhor já! Comece irradiando amor... primeiro por você, depois contagie aqueles que ama.

[Imagem: Bettman Archive, Mirrored Nude]


Posted by Lilia at 01:35 PM|Comments (0)
 
  17.07.05- EU ME AMO

A auto-estima é tudo na história de uma pessoa: ela interfere no que fazemos, em todas as áreas. De um pedido de emprego a uma conquista amorosa. É o que dá estrutura e base à nossa existência. Vamos aprender a mantê-la em alta para encarar a vida com mais alegria, confiança e tranqüilidade.

HELOÍSA NORONHA

eumeamo-Lichtenstein-Aloha.jpg Em 1985, a cantora norte-americana Whitney Houston conquistou as paradas de sucesso com a música The Greatest Love of All, originalmente gravada por George Benson nos anos 70. É uma pena que, nos anos seguintes, a estrela não conseguiu aproveitar os conselhos tão sábios da canção, uma ode à importância da auto-estima - o maior amor de todos é o amor que sentimos por nós mesmos, diz o refrão. Whitney batalha até hoje para se livrar dos efeitos do álcool, das drogas e dos relacionamentos destrutivos, sinais evidentes de que durante muito tempo não esteve satisfeita com a própria vida e consigo mesma.

A boa auto-estima, assim como a saúde, é uma condição essencial para ser feliz. Mas, diferentemente do equilíbrio físico e psíquico, que muitas vezes sofre influências alheias à nossa vontade, a auto-estima positiva só depende de nós. E essa felicidade que caminha ao lado dela não é aquela alegria forjada de comercial de margarina, e sim algo que acontece nas entrelinhas do dia-a-dia: capacidade de acreditar nas próprias qualidades, maturidade para aceitar os defeitos e limitações, ânimo para seguir em frente apesar das dificuldades, orgulho das conquistas, aprendizado com os erros. Ter uma boa auto-estima é, sobretudo, enxergar a si mesma da maneira que você é - e gostar disso. "É se amar e se respeitar", sintetiza a psicóloga Sandra Samaritano, do Instituto Paulo Gaudencio, de São Paulo.

Todo mundo tem auto-estima, nem que seja baixa. Segundo o psicanalista Elko Perissinotti, do Hospital das Clínicas de São Paulo, há inclusive uma predisposição genética para nascer com mais ou menos autoconfiança. Mas isso não é um fator definitivo. "Cabe aos pais se preocupar com o desenvolvimento da personalidade da criança. Essa tendência pode ser modificada", assegura. Especializada em orientação infantil, a psicóloga Suzy Camacho, autora do livro Guia Prático dos Pais (Green Forest), concorda com Perissinotti e afirma que a auto-estima da criança se constrói conforme o meio em que ela vive, o que inclui a família e a escola. "Os sete primeiros anos de idade são importantíssimos, pois envolvem as referências de mundo. A criança aprende o que é ser magro ou gordo, alto ou baixo, por exemplo. Se ela ouve que é desastrada e bagunceira, vai acabar acreditando nisso", destaca.

O conteúdo do que escutamos na infância, inclusive, é crucial para determinar o nível da nossa auto-estima. Frases como "Por que você não é tão estudioso quanto o seu irmão?", "Se continuar assim você nunca vai ser nada" e "Pare de colocar o dedo no nariz ou não vou gostar mais de você" provocam anos de cicatrizes profundas, marcadas por culpa, vergonha e medo. "O grande erro de alguns pais é criticar diretamente o filho, em vez de condenar a atitude. Comparações com outras crianças também precisam ser evitadas", sentencia Suzy. Ou seja, o certo seria dizer: "estudar pouco fará com que repita de ano" ou "cutucar o nariz é muito feio".

Para a psicóloga Sandra Samaritano, a maior demonstração de amor que os pais podem dar aos filhos é a imposição de limites, algo essencial para a formação da boa auto-estima. "Às vezes, as crianças até reclamam das decisões dos pais, mas é inegável que, no fundo, se sentem queridas e confortáveis, pois sabem que alguém se preocupa com o bem-estar delas", diz.

Ao contrário das gerações anteriores, hoje em dia é comum ver crianças pequenas com uma auto-suficiência de dar inveja ao mais ponderado dos adultos. De acordo com os especialistas, isso é fruto da maior busca por informação, já que os pais costumam recorrer a respostas na psicologia para suas dúvidas, e também de um certo preparo precoce para lidar com a vida - resultado, também, das dores e das delícias do mundo moderno. "É preciso prestar atenção, porém, se não está havendo permissividade na educação, o que gera níveis elevados de segurança nos pequenos, que se sentem capazes de tudo", alerta Sandra.

Benefícios valiosos
Pode haver a falsa impressão de que a vida é um verdadeiro mar de rosas para quem se gosta e se curte. Não é bem assim. O que acontece é que amar a si mesma e se aceitar permite circular pelo mundo com mais segurança. Ninguém está imune à dor, à decepção ou ao fracasso, evidentemente. No entanto, pessoas com auto-estima elevada não entregam os pontos por muito tempo. "Elas são dotadas de um incrível senso de resiliência, que é a capacidade de suportar as frustrações e extrair algo de positivo delas", diz o psicanalista Elko Perissinotti. No campo profissional, são pessoas que não têm medo de tomar a iniciativa ou de expor idéias e projetos. No plano afetivo, são mais felizes e estabelecem relações de igual para igual - a velha máxima de que é preciso primeiro se gostar, para depois gostar de alguém, é verdadeira.
Por outro lado, não seria exagero afirmar que quem tem baixa auto- estima leva uma vida de mentira. "A pessoa é mais observadora do que atuante", comenta a psicóloga Suzy Camacho. Outras características típicas: timidez, pessimismo, complexo de inferioridade, mania de bancar a vítima, boicotes. Há tendência para desenvolver compulsões (por comida, jogo, bebida ou drogas) e a se envolver em relacionamentos amorosos destrutivos - com direito à violência, inclusive.

Para o psicanalista lacaniano Jorge Forbes, o conceito de auto-estima é amplo, e inclui também o desejo de aceitação pelos outros das nossas escolhas e realizações. Segundo ele, a auto-estima tem duas fontes fundamentais: a aprovação alheia e a responsabilidade pessoal do que se deseja. "É comum a pessoa perder muito tempo montando estratégias de captura de sua aceitação pelos outros. O fracasso é previsível porque os outros, a quem se pede aprovação, estão em situação semelhante. Em graus variados, todo mundo questiona, no dia seguinte aos aplausos, como será possível mantê-los", exemplifica. Disso, tiramos um conselho: satisfazer a nós mesmos em primeiro lugar, e sermos fiéis aos nossos desejos e vontades. O resto é conseqüência.

Perigos e soluções
O excesso de auto-estima também é prejudicial e, para o psicanalista Jorge Forbes, sinal de alienação. "Além de conduzir à solidão, é paralisante", afirma. "A pessoa pode demonstrar uma falsa superioridade para amenizar a angústia emocional", opina Elko Perissinotti. "Excesso de auto-estima é diferente de arrogância, que esconde uma enorme insegurança", salienta Sandra Samaritano.

As experiências da infância podem contribuir para esse problema. Suzy Camacho, mais uma vez, lança mão do exemplo das frases dos pais. Compare a diferença entre "Você é a criança mais linda da escola" e "Para mim, você é a criança mais linda da escola". "No primeiro caso, por mais afeto que contenha, o elogio não é verdadeiro. No segundo, a afirmação cede espaço para uma opinião", argumenta Suzy. E qual será o resultado de crescer com a idéia falsa de que se é o centro do universo? Adultos infelizes e frustrados, com a sensação amarga de que foram enganados.

E o que fazer quando chegamos à idade madura com baixa auto-estima? É possível reverter esse quadro e trabalhar a autoconfiança? Sim, em qualquer fase da vida. O primeiro passo, do ponto de vista da psicóloga Sandra Samaritano, é parar de usar o passado como desculpa. Apesar de a forma como fomos criados estabelecer o nível da auto-estima, a educação que recebemos não deve ser usada como desculpa para continuarmos tristes e descrentes. "O passado é uma zona de conforto, sim. Só que o resgate da auto-estima depende de atravessá-la", diz Sandra. O trabalho de reorganização interior e de revalorização não é fácil, mas tem como prêmio o controle da vida - quem tem baixa auto-estima fica à mercê da opinião alheia, pois a própria de nada vale. Caso seja difícil enfrentar esse processo sozinha, é recomendável buscar terapia individual ou em grupo. O psicólogo Elko Perissinotti aconselha a prática de técnicas alternativas como yoga, tai chi chuan e meditação para reencontrar o equilíbrio interno, e esportes em geral, principalmente a hidroginástica.

"É uma atividade em grupo, o que favorece a sociabilização. E a água tem o valor simbólico da vida, do útero da mãe. Ela transmite carinho, aconchego, paz. Costumo recomendá-la para pacientes com depressão", diz Perissinotti. Embora muitos médicos façam vista grossa para livros e cursos de auto-ajuda, eles têm valor, sim, para conscientizar sobre atitudes erradas. E, por último, Sandra Samaritano recomenda prestar mais atenção nas críticas que, por acaso, receba. "O inimigo fala de mim pelas costas. O amigo fala para mim e funciona como uma espécie de espelho, que reflete quem eu sou."

Fonte: Revista Uma

[Image: Lichtenstein, "Aloha"]

Posted by Lilia at 09:29 PM|Comments (0)