Principal
 Fale comigo
acorda!
amizade
amores
ansiedade
auto-estima, perdão e aceitação
compaixão & generosidade
cura & saúde!
delícias
depressão/tristeza
desapego
do riso & bom humor
entrevistas
envelhecendo
espiritualidade
estorinhas
felicidade & alegria
FRASES
inveja
mães, pais & filhos
magias e astrologias
meditação
medo & pânico
menopausa & TPM
mulheres
o alheio e a nossa vida
o poder do desejo
piegas? que nada!
preste atenção!
resiliência
rigidez & intolerância
uia!
dezembro 2008
novembro 2008
agosto 2008
julho 2008
junho 2008
maio 2008
março 2008
fevereiro 2008
janeiro 2008
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
outubro 2006
setembro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
 
   
  13.12.08- GOIABEIRA DÁ GOIABA

Roberto Otsu

goiabadagoiaba_banco_reflexoagua_grandlake.jpg

Os filósofos e teólogos da Idade Média ocidental empregavam a palavra "qüididade" para definir a realidade tal como ela é. "Qüididade" significa: a essência de uma coisa, as condições que determinam uma realidade particular, a qualidade essencial de um determinado ser. Em resumo, quer dizer que uma coisa é o que é, apenas isso.
Esta visão é correspondente à abordagem taoísta da realidade. Tudo isso pode ser sintetizado numa frase de grande profundidade que, por mais complexa que seja, vale a pena ser memorizada. A frase é: "Goiabeira dá goiaba". Parece piada? Não é. Isso é fundamental! Na prática, nós não temos noção real do que é qüididade. Ignoramos esta palavra. Pior, não temos este conceito em nossa vivência diária. Não compreendemos em profundidade que tudo é o que é e que goiabeira dá goiaba.
Muitas vezes sofremos por não aceitarmos a realidade. No fundo gostaríamos que a realidade fosse diferente, e do modo que nós consideramos melhor.
Os sábios não ficam pensando como as coisas poderiam ou deveriam ser. Não lamentam que as coisas não sejam como eles gostariam. Em vez disso, afirmam a realidade: "É assim!". Pronto.
Somente com a percepção da realidade e com sua afirmação é possível atuar de modo efetivo porque estaremos lidando com circunstâncias reais e não com quimeras. Toda e qualquer atitude deve ser tomada em função da realidade, da situação real do presente e não em função do passado consumado ou do futuro incerto. Quando se diz "é assim que é" não se busca resignação, mas a compreensão clara da realidade para, a partir dessa realidade, tomar uma atitude.

Trecho do livro A sabedoria da Natureza, de Roberto Otsu, Editora Ágora

Posted by Lilia at 11:07 PM|Comments (0)
 
  04.08.08- 18 Princípios de uma Vida Espiritual

Sri Sri Ravi Shankar

skyocean_verobeach18principios.jpg

Confiança
O primeiro princípio de um caminho espiritual é ter confiança em si mesmo. Sem confiança, a realização não vem. Dúvida é o que opõe a confiança. Uma vez que você elimina o negativo, você verá que o positivo já ocorreu. Quando a dúvida é afastada, a confiança está lá. Então, para ganhar confiança, você deve entender o que é a dúvida. Se você observar a natureza da dúvida, ela é sempre sobre algo positivo. Você nunca duvida do negativo. Você sabe disso por sua própria experiência. Você duvida da honestidade de alguém, mas você nunca duvida da desonestidade. Você duvida da bondade de outras pessoas, mas você nunca duvida dos defeitos delas. Se alguém diz, “Eu te amo muito”, você diz, “Será?”. Mas se alguém diz, “Eu te odeio” você nunca diz “Odeia mesmo?”. Entenda a sua dúvida como você questiona o positivo e confia no negativo, e saiba que se você está tendo dúvidas, deve haver algo de bom presente. Enfrentada desta forma, a dúvida lhe dá meios de seguir em frente. Não estou dizendo para você deixar de ter dúvidas. Duvide o quanto puder! Dê a ela o seu 100%. Isso vai ajudar você a superá-la. Uma vez cruzada a barreira da dúvida, outros progressos virão.

Pare de culpar os outros e a si mesmo
O próximo princípio é parar de culpar os outros e a você mesmo. A jornada espiritual é uma jornada a você mesmo, e quando você está ocupado em culpar a si mesmo, você não vai querer se aproximar de si mesmo. Você não será atraído a si mesmo. Sem este movimento em direção a si mesmo, em direção ao espírito, você tem uma jornada em direção à dificuldade. A alegria que você recebe da dificuldade é cansativa. A alegria que você recebe do espírito é elevadora. Você encontrará defeitos dentro de você, mas não precisa se culpar por eles. Quando você culpa a si mesmo, você é compelido a culpar os outros, porque a culpa própria não se sustenta por muito tempo. Você encontrará um motivo para livrar-se dela ao dependurá-la em outra pessoa. Isso causa o surgimento do ódio. E toda vez que você culpa outra pessoa, você está novamente se preparando para se culpar. Existe muita culpa sendo distribuída hoje, isso está atrapalhando a consciência de todo o mundo.

Elogie os outros e si mesmo
O terceiro princípio é elogiar você e os outros. Elogiar os outros é um passo além de não culpar os outros. Elogiar acende o espírito e a presença do espírito é exaltante para você, para o outro, e para todo o ambiente. Ao elogiar você mesmo ou outro, é criado um espaço dentro de você, que é preenchido com alegria. Se você pode elogiar a si mesmo, você não precisa do elogio dos outros. Muitas vezes pensamos que elogiar a nós mesmos é ego, mas, na verdade, o ego não pode elogiar a si mesmo. Ao contrário, ele anseia pelo elogio dos outros. E entenda que todo elogio vai para o Divino de qualquer maneira. Se você diz que tem olhos lindos, quem os fez? Todo elogio vai para o Divino, o Criador. O ato de oferecer elogios expande a consciência. Algo dentro de você se abre. Culpar encolhe a consciência. Uma vez que a dimensão espiritual é uma expansão da consciência, da mente, nós não queremos agir contra isso culpando os outros. Ofereça um elogio sincero a alguém e veja como você se sente.

Sinceridade
Sinceridade é o quarto princípio. Em todas as coisas, seja sincero. Não engane a si mesmo e não tente enganar os outros. Você não está no caminho espiritual para a o bem dos outros. A busca espiritual sem sinceridade é vazia. Não traz nenhum benefício. Com sinceridade vem a paz, felicidade e alegria que você não poderia encontrar de qualquer outra maneira neste mundo.

Responsabilidade
O quinto princípio do caminho spiritual é responsabilidade. O caminho espiritual é não fugir da responsabilidade, mas assumir responsabilidade. Quanto mais responsabilidade você assumir para a sua vida, mais você está no caminho. Se você acha que é difícil administrar o que foi dado para você fazer, mais será dado! As pessoas pensam erroneamente que ser espiritual é uma fuga do trabalho árduo. Não. O caminho espiritual é marcado por atividade dinâmica e eficaz.

Abra mão do passado
O sexto princípio de uma vida espiritual é a capacidade de abrir mão do passado. Veja todo o passado como um sonho. Então venha ao momento presente. Você verá que não é necessário fazer um esforço para estar no presente. No momento em que você abre mão do passado, sua mente vem ao presente por conta própria. No momento presente, o espírito é aceso – mesmo uma faísca é transformada em brilho. Quando você se agarra ao passado, a faísca é coberta por cinzas. Esteja no presente e assopre as cinzas do passado.

Aceitação
Você precisa saber como criar um ambiente harmonioso ao seu redor. Você pode pensar que o seu ambiente cria você, mas, na verdade, você cria o seu ambiente. Veja o que é, é. A aceitação tem dois aspectos. O primeiro é a aceitação que o momento presente é inevitável. Ele aconteceu como aconteceu. Se você quer que seja diferente, ele só pode se tornar diferente no momento seguinte. Só quando você aceita o que é e fica calmo, você pode realmente mudar alguma coisa.
O segundo aspecto é aceitar as pessoas como elas são. Qualquer comportamento que elas exibam, perceba que este é o melhor que ela pode oferecer naquele momento. Seja analítico. Procure possíveis explicações para as ações delas. E, simultaneamente, assuma responsabilidade por suas próprias ações. Dessa maneira, a aceitação torna-se dinâmica e seu ambiente torna-se harmonioso.

Confirmação de sua própria morte
O oitavo princípio de uma vida espiritual é a confirmação da morte, o entendimento que você morrerá um dia. Porque existe algo no fundo de nosso interior que não morre, nós não podemos compreender completamente o fato de nossa própria morte. A confirmação da morte pode trazê-lo ao presente momento. Pode tirá-lo de todas as pequenas tentações que o afastam do presente. Uma vez que você sabe que irá morrer, então o futuro não o assombrará.

Impermanência da Vida
O nono princípio é a impermanência de tudo o que existe agora – a impermanência das situações, circunstâncias, emoções e pessoas ao seu redor. Saber que tudo isso é impermanente eleva o nível do espírito. Você pode agir com mais energia, entusiasmo e vigor. Pensamos que se reconhecermos que tudo é impermanente, isso derruba o nosso entusiasmo e nos leva a um estado de apatia. Não. O entendimento correto de impermanência acende o espírito. Quando o espírito é aceso, você se sente elevado. Entusiasmo e dinamismo estão presentes.

Confiança
Confie na Inteligência suprema e infinita que formou toda essa criação, da disposição cósmica à interação dos genes, átomos e moléculas. Dependendo da combinação dos elétrons, alguma coisa torna-se uma flor e outra coisa torna-se uma pedra, alguma coisa é ouro e outra coisa é carvão. Veja, existe um substrato básico, uma inteligência fundamental, uma unidade, em toda essa criação. E veja que isso é vigoroso. Nós não vemos o universo como uma coisa viva. Nós só vemos matéria em toda a parte, em nossos olhos só objetos aparecem. Nós sabemos que existe um campo magnético na criação, mas nós muitas vezes o vemos como um campo morto. Pura consciência é a base da mente, que você é uma parte e que todos são uma parte, é este campo e está vivo. Ter compreensão, aceitação e confiança na Inteligência que cria e sustenta todas as coisas é o décimo princípio de uma vida espiritual.

Unidade na Criação
Quando a mente humana está estressada e tensa, ela julga, discrimina, ama isso, não ama aquilo, constrói fronteiras. E agindo assim, ela se remove da existência. Essa remoção da existência, do fluxo da existência, é chamada separação, mas é só aparente. Separação da existência não é possível. Se uma porção do círculo é removida, não existe mais um círculo. Veja que você é parte da existência, um fragmento da expressão da Inteligência suprema, a força unificadora que baseia toda a criação, tudo isso. Este é o décimo primeiro princípio.
Quando você compreende a unidade na criação, você não tem que fazer um esforço para amar os outros. Amor é a sua natureza. Amor é o que existe. Nada além do amor existe. Veja que o amor não é um ação que você faz, não é uma obrigação moral que você tem que cumprir. Veja que você existe no amor e tudo além existe no amor.
E saiba que a paz também é sua natureza. Em qualquer momento, em qualquer lugar, você pode apenas sentar-se e entregar-se, sabendo que em seu interior existe um espaço puro e limpo, vasto e profundo. Este espaço interior é o que você é. Quando você sente isso, você está em contato com a sua dimensão espiritual.
“Eu vim da paz, estou em paz, e voltarei à paz. Paz é minha origem e meu objetivo. Eu sou a paz, eu sou o espaço, eu sou o amor”. Esta afirmação ou experiência interna torna-o um buscador. Saber que a sua natureza é paz e amor é o décimo segundo princípio.

Equilíbrio
O décimo terceiro princípio de uma vida espiritual é encontrar um equilíbrio entre a atividade e o descanso – entre aproveitar o seu mundo e voltar para si mesmo, encontrar um equilíbrio entre o silêncio e a fala. Se você se mantiver silente por toda a vida, sem nunca articular uma palavra, você não está necessariamente vivendo uma vida espiritual. Você ganhou a fala. Você ganhou talentos e habilidades. Faça o uso correto dessas coisas que você ganhou e equilibre-as com meditação, o aspecto de auto-referência da sua consciência.

Auto-inquirição
Auto-inquirição é o próximo princípio de uma vida espiritual. Comece com a percepção de sentir o seu próprio corpo – sua própria pele, a sensação de sua pele sob suas roupas, e sob a pele seus músculos, nervos e ossos. Não seja insensível à vida, como um animal que só come, bebe e dorme. Observe cada sensação. Tenha a percepção mais aguçada. Ao conhecer o seu próprio corpo, você chegará a conhecer o espírito – aquilo que é diferente do corpo.

Desapaixonamento e Maturidade
A percepção aguçada vem com a maturidade, ou pode-se dizer, com o desapaixonamento. Maturidade e desapaixonamento vêm juntos. Você não pode ser maduro e não ser desapaixonado. Desapaixonamento é muitas vezes entendido erroneamente como um estado mental raso e estúpido, ou um humor negativo. Tem uma conotação de ser indiferente e desinteressado. Isso não é verdade. No desapaixonamento, você está consciente, você está íntimo com você mesmo. Na maturidade não há perturbação de espírito. Na maturidade há nobreza, há liberdade, há compreensão, há mistério. Este é o décimo quinto princípio de uma vida espiritual, ser desapaixonado e viver de forma madura.

Apreciação da Beleza
O décimo sexto princípio de uma vida espiritual é reconhecer a beleza na criação, a beleza em cada pessoa, a beleza dentro de você, e conhecer esta beleza na natureza do espírito. A mente corre atrás da beleza, aprecia a beleza, mas existe uma diferença entre apreciar a beleza e querer possuí-la. Ao querer possuir a beleza, perdemos a nossa imparcialidade.
Saiba que o espírito é o belo. Onde quer que você perceba a beleza, o espírito está lá. Se alguém é belo, é por causa do espírito delas. Um corpo morto nunca é bonito. Atribuir beleza ao espírito e diferenciá-la da matéria leva você a trilhar um grande trajeto do caminho na trajetória espiritual.

Adoração e Honra
A apreciação das coisas belas traz a adoração. Você adora a beleza, você venera a beleza. Venerar e adorar tudo na criação como um reflexo do Criador é o próximo princípio de uma vida espiritual.
E honre tudo. Honrar é mais do que uma resposta emocional. É uma atitude. Indica uma compreensão equilibrada da vida. Quando respeito e amor estão presentes, vem a honra. Quando existe a honra, a mente está 100% presente e surge um sentido de sagrado. Amor e respeito trazem honra e honra traz esse sentido de sagrado. Você não pode mais sentir alguma coisa e não sentir a sua sacralidade. A sacralidade traz precaução na consciência. A percepção surge.

A Vida é InextinguívelO princípio final de uma vida espiritual é saber que a vida é inextinguível. Isso é totalmente contraditório ao princípio de saber que a vida não é permanente, que tudo é extinguível. Agora dizemos que a vida é inextinguível, nada pode acontecer a ela. A verdade é sempre contraditória.

Posted by Lilia at 05:38 PM|Comments (0)
 
  23.06.08- O “PARADIGMA SER-FAZER-TER”

Neale Donald Walsch
Tradução: Sandrinha Barroca

paradigma_floraquatica_baldwinpark.jpg O “Paradigma Ser-Fazer-Ter” é um modo de ver a vida. Não é mais nem menos do que isso. Mas essa maneira de ver a vida pode mudar sua vida e provavelmente mudará. Porque o que é verdade sobre esse paradigma é que a maioria das pessoas já o tem inconscientemente e quando elas finalmente o “pegam” sem hesitação e começam a olhá-lo de frente, tudo em suas vidas gira 180 graus.

A maioria das pessoas (eu sei que eu fiz) começa com a compreensão de que a vida funciona assim: Ter-Fazer-Ser. Isto é, quando EU TENHO a coisa certa, EU posso FAZER as coisas certas e, então, EU vou SER o que quero ser.

Quando EU TENHO boas notas EU posso FAZER a coisa chamada “me graduar” e EU posso SER a coisa chamada profissional – pode ser um exemplo. Aqui tem um outro. Quando EU TENHO bastante dinheiro EU posso FAZER a coisa chamada comprar uma casa e EU posso SER a coisa chamada seguro. Quer mais um? Aí vai: Quando EU TENHO bastante tempo EU posso FAZER a coisa chamada tirar umas férias e EU posso SER a coisa chamada descansado e relaxado.

Viu como funciona? Foi assim que meu pai, minha escola, minha sociedade me disseram que funcionava. A vida funciona desse jeito. O único problema era que EU NÃO estava conseguindo SER as coisas que eu pensava que seria depois de ter feito tudo que eu achava que deveria fazer e de ter todas as coisas que eu pensava que precisava ter. Ou, se eu conseguisse ser, só conseguia sê-lo por um curto período de tempo. Logo depois que eu conseguia ser “feliz” ou “seguro” ou “satisfeito”, ou qualquer coisa que fosse, eu me descobria outra vez INfeliz, INseguro e INsatisfeito!

Eu não parecia saber como “segurar a coisa”. Eu não sabia como fazê-la durar. Então sempre parecia como se eu tivesse feito tudo o que precisava por nada. Eu sentia como um esforço desperdiçado e comecei a me ressentir disso em minha vida.

Então eu tive a experiência de conversar com Deus e tudo mudou. Deus me disse que eu estava começando no lugar errado. O que eu precisava fazer era COMEÇAR onde eu pensava que ia CHEGAR.

Toda criação começa num lugar de SER, Deus disse, e eu tinha feito ao contrário. O truque da vida é não tentar chegar a ser “feliz” ou ser “seguro” ou o que quer que seja, mas começar SENDO feliz ou SENDO satisfeito e partir daí para viver a vida diária.

Mas como fazer isso se você não TEM o que você PRECISA TER para ser feliz etc.? Essa é a questão. A resposta é que vir DE um estado de ser em vez de tentar ir PARA um estado de ser praticamente assegura o “ter” final da equação.

Quando você vem DE um estado de ser, você não precisa ter nada para começar o processo. Você simplesmente escolhe, quase arbitrariamente, um estado de ser e então parte DO estado que você escolheu para tudo o que você pensa, diz e faz. Mas como você está pensando, dizendo e fazendo apenas o que uma pessoa que é feliz, satisfeita, ou o que quer que seja, pensa, diz e faz, aquilo que uma pessoa feliz ou satisfeita consegue TER vem para você automaticamente.

Vamos testar e ver se pode funcionar dessa maneira. Digamos que o que uma pessoa quer SER é uma coisa chamada “segura”. Se essa é a experiência desejada, o que podemos fazer é começar da casa do tabuleiro do jogo que diz EU SOU SEGURO. Começamos com essa idéia e esta é a idéia que vai operar por trás de tudo o que fizermos. Nos movemos para a parte SER-FAZER do paradigma.

Quando alguém faz aquilo que apenas uma pessoa segura faria, essa pessoa quase que automaticamente acaba tendo o que apenas as pessoas seguras poderiam ter. Faça o teste algum dia. É intrigante como funciona.

Agora, como você pode SER “seguro” se você não se sente assim? Como, se você não “tem” nenhuma das coisas que uma pessoa “segura” teria?

A resposta é... você decide que É “seguro” – independentemente que seja assim ou não. Então você FAZ o que uma pessoa “segura” faz. Você joga fora todos os outros comportamentos que não se harmonizem com isso. Logo, os únicos comportamentos que ficarão serão aqueles que produzem o resultado. Você parte DE um lugar da mente que cria uma substituição de atitudes e uma mudança da realidade.

Então, procure ver o que você quer SER na vida – isto é, que estado de ser você deseja experimentar. Pode ser mais de um. Mas teste apenas um de cada vez por enquanto. Escolha o estado de ser e se coloque nele. É simplesmente uma decisão, baseada em nada. É uma decisão feita de uma escolha. Pura escolha.

Depois, aja como uma pessoa que é aquilo agiria. Diga as coisas que uma pessoa que é aquilo diria. Faça apenas as coisas que uma pessoa que é aquilo faria. Você vai se assombrar como esse processo é efetivo em produzir o estado de Ter que corresponde ao que você escolheu ser.

[Imagem: foto Lilia Lima]

Posted by Lilia at 04:13 PM|Comments (0)
 
  24.10.07- NO OCEANO DO GRANDE ANÔNIMO

Wagner Borges

oceanograndeanonimo_ lakevirginia_sunset23october.jpg Quando o lótus do coração se abre, tudo muda.
Antigas dores são curadas na florescência do Ser na luz.
O pequeno eu se curva ao Grande Imanente que permeia a tudo.
Então, o Grande Amor faz a canção da alma acontecer, naquela inspiração que homem algum poderá perceber com os sentidos da carne.
A gota do pequeno eu da personalidade se funde no oceano do Grande Anônimo.
E aí, as pequenas coisas da vida se tornam eventos extraordinários, plenos de contentamento.
Ver uma florzinha na beira da estrada se torna um momento maravilhoso.
Assistir um pôr-do-sol é um deleite...
Rir sem compromisso, igual criança arteira, é tornar-se uno com Krishna!
Ver o Supremo em tudo e amar a vida é tornar-se uno com Jesus!
Pensar na paz e na fraternidade é tornar-se uno com o Buda!
Ah, o coração que se abre na luz do Grande Amor, jamais será o mesmo!
Ele escuta a canção do Grande Anônimo e se encanta com a pequena flor, o pôr-do-sol e o sorriso.
Ele compreende o sorriso de Krishna, o amor de Jesus, e a serenidade de Buda...
Ele sabe que o tempo das mágoas e das dores se foi...
Ele sente o abraço do Inefável!
Ele escuta as vozes dos espíritos no vento da vida, que sempre falam da imortalidade da consciência.
Ele não vê vácuo algum, em nada, mas a plenitude do Todo em tudo!
Não há vacuidade nem idéia de morte em seus caminhos...
Ele vê o mesmo Imanente Invisível em cada olhar e em cada flor.
Ele sabe que o Supremo vive em cada ser, moço ou velho, alto ou baixo, branco ou negro.
Isso porque ele escuta a canção em seu coração...
Isso porque o seu pequeno eu se curvou ao Grande Anônimo e mergulhou no oceano de estrelas.
E quem poderá compreender tal coisa, a não ser alguém que também abriu o lótus do coração e diluiu suas mágoas e dores no abraço secreto do Supremo?
Talvez, alguém que também escute as vozes dos espíritos de luz no vento da vida, que sopra por onde quer...
Talvez, apenas alguém que ame a vida...
Ou, aquele que também se admira com o pôr-do-sol, o sorriso e a florzinha na beira da estrada...
Ou, simplesmente, alguém que consegue sentir, de coração, a luz secreta que viaja nas linhas de um texto.
(Dedicado a Huberto Rohden e Sry Aurobindo)

Fonte: recebi por email e não achei publicado ainda na internet.
[Imagem: lilia lima]

Posted by Lilia at 02:32 PM|Comments (0)
 
  12.10.07- Os Modos do Pensamento, Segundo as Tradições Espirituais

Wagner Borges

keywest_sunsetdock_350.jpg
Nós somos o que pensamos.
Muito mais do que imaginamos.
Muito mais do que supomos.
Mais ainda do que sentimos.

Se pensarmos melhor, melhor seremos.
Isso é lei básica do pensamento.
A energia segue automaticamente o que pensamos.
Logo, melhora as energias quem pensa melhor.

Quem pensa em melhorar, melhora só de pensar.
O pensamento é o artífice do destino.
Cada pensamento é um sulco na mente,
Por onde correm as energias e os sentimentos.

Cada escolha, modos do pensamento.
Cada ato, escolha do pensamento.
Cada destino, modos de escolha.
Cada um é o que pensa!

Quem pensa, escolhe; Quem semeia, colhe.
Quem planta cerejas, colherá cerejas.
Quem semeia vento, colherá tempestade.
Quem semeia luz, já melhora, só por semear.

Cada ato é pensamento exteriorizado.
Cada palavra é a sonorização do pensamento.
Cada gesto é movimento do pensamento.
Cada energia manifestada, modos do pensamento.

Pensamos, logo existimos.
Ou, melhor, existimos porque pensamos.
Ou, seria mais acertado dizer?:
"Pensamos, logo complicamos!"

O pensamento vai e vem pelos sulcos...
Sua natureza é o movimento.
E esse é o seu tormento: a agitação.
O remédio: a meditação.

* * *

Ao longo dos milênios, os sábios espirituais vêm falando aos povos
sobre a necessidade da educação dos pensamentos e emoções. Cada um deles, de acordo com o contexto de sua época e cultura, falou as
mesmas verdades.

Alguns deles foram direto ao ensinamento, outros escolheram o caminho das parábolas, e outros mais ensinavam pelo olhar silencioso e a consciência expandida em outros planos invisíveis ao olhar comum.

Seja pelos caminhos iniciáticos do antigo Egito ou da Grécia, ou pelos caminhos iogues ou taoístas, ou ainda, pelos ensinamentos budistas ou sufis, surge sempre a ênfase na educação do pensamento.

Seja ensinado por Jesus ou Buda, Krishna ou Mahavira, Maomé ou Ghandi, o certo é que a melhoria dos pensamentos é um dos fundamentos básicos para qualquer ser humano interessado em progredir na senda espiritual.

Baseado nisso, vamos olhar algumas dicas sobre os modos do pensamento, extraídas de várias fontes espirituais.

Hermetismo: PENSE NA LUZ! SEJA LUZ! O TODO ESTÁ EM TUDO! RÁ!
Cristianismo: PENSE NO BEM DE TODOS! PRATIQUE O AMOR! AMÉM!
Budismo: PENSE NA PAZ! SEJA UM CANAL DE COMPAIXÃO! OM MANI PADME HUM!
Hinduísmo: PENSE NO DIVINO QUE VOCÊ É! OM... OM... OM!
Taoísmo: PENSE NO TAO! SEJA SERENO! DANÇE COM O CHI!
Sufismo: PENSE LEVE! RODOPIE COM A LUZ! FESTEJE A VIDA!
Islamismo: PENSE FIRME NO DIVINO! ELE É LUZ SEM IGUAL!

Lançando um olhar universalista sobre esses ensinamentos espirituais, nota-se, claramente, que se destaca o toque consciencial de pensar em valores maiores e baseados na LUZ. Talvez o modo do pensamento mais adequado aos nossos esforços seja esse: PENSAR LUMINOSAMENTE!

É óbvio que é mais fácil falar ou escrever sobre isso, do que praticar e melhorar o clima mental, passo a passo, na prática do viver diário, sempre cheio de coisas para complicar essa boa intenção. Mas, é certo que, mesmo só pensando nisso inicialmente, já melhoramos só de pensar. Pelo menos, é melhor do que nem pensar nisso.
Ou seja, pensar nisso já é LUZ!

Fonte: IPPB
[Imagem: pôr do sol key west, lilia lima]

Posted by Lilia at 11:14 PM|Comments (0)
 
  07.09.05- Ponto de Deus no cérebro

Leonardo Boff

pontodedeus-raphael-madonna-sistina.jpg Uma frente avançada das ciências hoje é constituída pelo estudo do cérebro e de suas múltiplas inteligências. Alcançaram-se resultados relevantes, também para a religião e a espiritualidade. Enfatizam-se três tipos de inteligência. A primeira é a inteligência intelectual, o famoso QI (Quociente de inteligência) ao qual se deu tanta importância em todo o século XX. É a inteligência analítica pela qual elaboramos conceitos e fazemos ciência. Com ela organizamos o mundo e solucionamos problemas objetivos.

A segunda é inteligência emocional popularizada especialmente pelo psicólogo e neurocientista de Harvard, David Goleman, com seu conhecido livro A Inteligência emocional (QE=Quociente emocional). Empiricamente mostrou o que era convicção de toda uma tradição de pensadores, desde Platão, passando por Santo Agostinho e culminando em Freud: a estrutura de base do ser humano não é razão (logos) mas é emoção (pathos). Somos, primariamente, seres de paixão, empatia e compaixão e só em seguida, de razão. Quando combinamos QI com QE conseguimos nos mobilizar a nós e a outros.

A terceira é a inteligência espiritual. A prova empírica de sua existência deriva de pesquisas muito recentes, dos últimos dez anos, feitas por neurólogos, neuropsicólogos, neurolinguistas e técnicos em magnetoencefalografia (que estudam os campos magnéticos e elétricos do cérebro). Segundo esses cientistas existe em nós, cientificamente verificável, um outro tipo de inteligência pela qual não só captamos fatos, idéias e emoções, mas percebemos os contextos maiores de nossa vida, totalidades significativas e nos faz sentir inseridos no Todo. Ela nos torna sensíveis a valores, a questões ligadas a Deus e à transcendência. É chamada de inteligência espiritual (QEs= Quociente espiritual), porque é próprio da espiritualidade captar totalidades e se orientar por visões transcendentais.

Sua base empírica reside na biologia dos neurônios. Verificou-se cientificamente que a exeperiência unificadora se origina de oscilações neurais a 40 herz, especialmente localizada nos lobos temporais. Desencadeia-se, então, uma experiência de exaltação e de intensa alegria como se estivéssemos diante de uma Presença viva. Ou inversamente, sempre que se abordam temas religiosos, Deus ou valores que concernem o sentido profundo das coisas, não superficialmente mas num envolvimento sincero, produz-se igual excitação de 40 herz.

Por esta razão, neurobiólogos como Persinger, Ramachandran e a física quântica Danah Zohar batizaram essa região dos lobos temporais de "o ponto Deus".

Se assim é, podemos dizer em termos do processo evolucionário: o universo evoluiu, em bilhões de anos, até produzir no cérebro, o instrumento que capacita o ser humano perceber a Presença de Deus que sempre estava lá embora não percebível conscientemente. A existência deste "ponto Deus" representa uma vantagem evolutiva de nossa espécie homo. Ela constitui uma referência de sentido para nossa vida. A espiritualidade pertence ao humano e não é monopólio das religiões. Antes, as religiões são uma das expressões desse "ponto Deus".

Fonte: Bafafa
[Imagem: Raphael, "Sistine Madonna"]

Posted by Lilia at 05:56 PM|Comments (0)
 
  15.08.05- A Fé

Elisabeth Cavalcante

fe-om-mantra.jpg "Um menino, no meio da tempestade em alto mar, continuava a brincar, enquanto os outros, amedrontados, temiam pelas suas vidas. Era o filho do timoneiro do barco. Quando, ao desembarcar, lhe perguntaram como tinha estado tão tranqüilo no meio daquele furacão, respondeu: Como poderia ter medo? O leme estava nas mãos de meu pai". *Dom Frei Daniel Tomasella - Fonte: Jornal "No Meio de Nós".

A fé é um dos mais importantes sentimentos que podemos cultivar. Na verdade ela se relaciona com uma energia poderosa, capaz de fazer acontecer em nossa vida tudo o que desejarmos.

Cultivar a fé não depende de seguirmos ou estarmos atrelados a qualquer religião institucional, podemos encará-la como uma postura mental de confiança e certeza, que deve preceder cada uma de nossas ações.

Quando acreditamos, é o nosso lado sábio, aquela parte de nós que é consciente de nosso poder quem atua e, portanto, quanto mais desenvolvermos esta prática maior será o domínio deste eu divino sobre nosso ego.

A fé tem dois alicerces: a crença de que os poderes divinos estão sempre presentes em nossa vida e, como conseqüência desta, a força que nos torna destemidos frente aos desafios da vida, ampliando a confiança em nosso próprio poder.

Portanto, quanto mais alimentarmos em nós a confiança na proteção de Deus, mais esperança, força e poder estaremos ativando, de modo a encontrar saídas adequadas para nossos dilemas e dificuldades.

TORNE-SE SEU PRÓPRIO GUIA INTERIOR
"Sempre que estiver confuso numa situação e não estiver sabendo como sair fora dela, não pense; simplesmente permaneça em um profundo estado de não-pensar e permita que o seu guia interior o conduza. No começo você se sentirá com medo, inseguro, mas logo, quando você chegar sempre à conclusão certa, quando chegar sempre à porta certa, você juntará coragem e se tornará confiante.
Se esta confiança acontece, eu chamo isso de fé. Isso é realmente fé religiosa – a confiança no guia interior. A razão é parte do ego. É você acreditando em você. No momento em que você vai mais fundo dentro de você, você chega à própria alma do universo. Seu guia interior faz parte da direção divina. Quando você o segue, você segue o Divino; quando você segue a si mesmo, você está complicando as coisas, e você não sabe o que você está fazendo. Você pode se achar muito sábio. Você não é.

A sabedoria vem do coração, não é do intelecto. A sabedoria vem da mais recôndita profundidade de seu ser, não é da cabeça. Corte fora a cabeça, fique sem cabeça – e siga seu ser, para o que quer que ele o conduza, para onde quer que ele o leve. Mesmo que ele o leve para o perigo, entre no perigo, porque esse será o caminho para você e para o seu crescimento. Através desse perigo você crescerá e se tornará maduro". Osho: Trecho de The Book of Secrets.

Fonte: Somos Todos Um
[Imagem: do site allposter. sem autoria]


Posted by Lilia at 11:55 AM|Comments (0)
 
  10.08.05- Em busca da sabedoria

buscasabedoria-Heart-Mandala.jpg Desenvolver o que se chama de inteligência espiritual é um grande passo rumo à paz de espírito

Alcançar o sentimento de felicidade alheio às condições financeiras e circunstâncias da vida. Uma tarefa aparentemente impossível, não é? Não. Pelo menos para quem cultiva uma inteligência que vai além do raciocínio lógico, do conhecimento científico e de outros parâmetros que costumam medir o intelecto humano. Trata-se de desenvolver a chamada inteligência espiritual, uma faculdade difícil de ser alcançada, mensurada ou definida, mas que começa a ser pensada como uma ferramenta de transcendência do espírito, sustentada pela fé - seja ela religiosa ou não -, em que se percebe o quão rico é o universo e que o apego a pequenas coisas pode impedir a concretização de uma vida mais leve e feliz.

À primeira vista, parece conversa de maluco. Mas basta o convívio - ou um mero contato - com quem vive uma busca constante pelo autoconhecimento e por meios de apreciar cada detalhe da existência, para questionar esse rótulo e perceber que de loucos eles não têm nada.

Dalai Lama, Mahatma Gandhi e São Francisco de Assis são exemplos de gente que soube traçar um caminho em busca da espiritualidade. Mas não é preciso ser um mito para ser admirável. A inteligência espiritual independe de classe social, raça, religião ou profissão.

A atriz paulista Odete Lara, musa da bossa nova e do Cinema Novo, escandalizou o Brasil ao fazer sexo com Norma Bengell no filme Noite Vazia, de Walter Hugo Khoury, em 1964. Uma cena polêmica que incomodou os moralistas da época e encheu os homens de desejo. Apesar do sucesso que fazia, Odete não se sentia realizada. ''Minha vida era agitada, cheia de correria, voltada unicamente para o trabalho. Seguia um ritmo baseado na competição que normalmente impera nos grandes centros urbanos. Eu não era feliz. Só conhecia a falta de sossego e a ansiedade.''

Aos poucos, a então atriz começou a procurar outras formas de ser e de viver. Com muita leitura e travando contato com pessoas que buscavam tanto quanto ela a paz de espírito, Odete se transformou. Largou a carreira em 1974 e hoje vive em um sítio em Nova Friburgo, Região Serrana do Rio. Convertida ao zen-budismo, mantém uma rotina simples e pacata, porém bem mais agradável.

''Tenho o hábito de cuidar da qualidade da minha alimentação, faço exercícios de ioga, caminho e medito diariamente'', conta.
Apenas uma coisa a entristece. ''O sistema voltado unicamente para o lucro, que reina no mundo e causa tanta injustiça e, conseqüentemente, violência. Não fosse isso, minha felicidade seria total''.

A prática da meditação realmente parece ser um grande instrumento para alcançar esse estágio de transcendência, desapego material e autoconhecimento. Mas, não é necessário ser budista como Odete para desenvolver uma ''alma inteligente''. A fé, seja em Deus, Alá ou em uma força superior ''não nominada'' leva a uma conexão com o inexplicável e ajuda o ser humano a entender o que não é palpável nem óbvio. Ajuda a preencher, por exemplo, o vazio deixado pela falta de respostas para famosas questões como ''quem somos?'', ''de onde viemos?'', ''para onde vamos?''.

''Ter fé é possuir a capacidade de lidar com a vida e com o que ela nos oferece e propõe. A gente deve aprender a apreciar isso tudo'', ensina o rabino Nilton Bonder, autor do livro Fronteiras da Inteligência - A Sabedoria da Espiritualidade (ed. Campus). Assim como Bonder, o antropólogo Leonardo Boff acredita no poder das religiões para atingir a inteligência espiritual, já que são expressões claras e ferramentas de transcendência.

''Por caminhos diferentes, todas as religiões querem dizer que o ser humano não é refém deste mundo. No Brasil, é lindo o fato de nós não nos fixamos em uma só expressão de religiosidade. Incorporamos várias, como a católica, a evangélica, a budista, a tradição afro-brasileira do candomblé, o santo daime, entre outras'', exemplifica Boff, autor de Tempo de Transcendência (ed. Sextante).

O antropólogo explica que essa transcendência é a capacidade que o ser humano tem de superar os limites impostos. Não em termos materiais, mas na construção de um pensamento infinito, que ultrapassa as barreiras. ''Esse termo define o homem como aquele que está no mundo e no universo, mas que não pode ser aprisionado. Somente o infinito sacia sua busca sem fim'', completa.

Apesar de concordarem com o papel positivo que a prática religiosa pode desempenhar na busca pela espiritualidade, Leonardo Boff e Nilton Bonder alertam para o risco da má interpretação ou da ignorância. ''Todas as religiões incorporam não apenas limitações, mas também equívocos e erros. Por exemplo, dificilmente se nota a espiritualidade numa religião que rebaixa a mulher ou despreza minorias, como os homossexuais. Devemos sempre, a partir da transcendência, submeter todas as religiões a uma crítica severa. Verificar se elas favorecem esta experiência ou se a dificultam'', ressalta Boff, expulso da Igreja Católica por ir de encontro a certos paradigmas da instituição.

Bonder também faz seu alerta. ''É preciso ter cuidado com as tradições religiosas, porque elas também podem ser uma forma de preencher a ignorância apenas para gerar dominação e superstição'', pondera o rabino.

Ma Prem Achala, que se chamava Rosana San Juan e era uma típica workaholic, parece já ter entendido esses recados. Se durante uma época ela foi, como conta, ''histérica, nervosa, impaciente, ansiosa'', entre outros adjetivos comuns para pessoas dominadas pela competição capitalista, hoje ela aprecia e dá valor a cada momento simples da vida. ''O mundo é mágico. Precisamos enxergar tudo o que acontece como uma possibilidade de crescimento, procurando aprender inclusive com os episódios mais tristes e difíceis'', afirma.

Para ela, até de sentimentos negativos podemos tirar proveito. ''Devemos trabalhá-los procurando canalizar a emoção que proporcionam para atitudes positivas'', diz ela, que apesar de bem mais tranqüila, jura que não perdeu a intensidade com que realiza suas atividades diárias.

Achala, que trabalha com grupos de meditação e autoconhecimento no centro Namastê, acredita tanto na melhora de sua qualidade de vida que se autodelegou uma missão: ''Procuro ser uma agente de mudanças no mundo, pois não podemos nos ausentar dos problemas que existem. Gosto de fazer com que as pessoas sejam mais felizes e vivam mais em paz com elas mesmas. Assim, dou minha contribuição para mudanças de vida, que podem ser individuais ou para a sociedade como um todo'', diz.

Leonardo Boff, um crítico severo da cultura que predomina no mundo, não poupa certas formas de busca de autoconhecimento na hora de definir o papel da inteligência espiritual. ''Valoriza-se o que pode ser desfrutado e consumido imediatamente. Há uma oferta de todos os tipos de produto para preencher as carências que todo ser humano possui, mas esse não é o caminho. Transcendemos quando procuramos melhorar, crescer e abrir novos horizontes. Além de recomeçar. Sempre'', ensina.

Quem pode deter os tsunamis, furacões, terremotos e tempestades? Boff responde à própria pergunta sem titubear. ''Nem Bush com toda a sua arrogância.'' Fenômenos naturais como os que vêm assolando o mundo são exemplos para vermos como a vida é efêmera e o ser humano é pequeno diante do universo.

O lado prático
Por ser uma expressão teoricamente nova e sem um significado completamente definido, o conceito de ''inteligência espiritual'' conta com diferentes interpretações. Em seu livro Inteligência espiritual (ed. Mauad), a escritora Maria Nunes atribui à expressão características práticas - com uma pitada de psicologia -, fugindo da espiritualidade, mas sem abandonar a idéia do autoconhecimento.

Para a autora, a inteligência espiritual ajuda a compreender e a conviver com fenômenos que ocorrem em nossas vidas e que, segundo ela, não têm explicação lógica. Entre eles, sonhos lúcidos, coincidências, clarividência, premonição, telepatia e o tão corriqueiro déjà vu.

''O pressentimento é um deles. É algo que vem de forma inesperada, não programada. É fruto de uma intuição. Onde entra a inteligência espiritual? No discernimento, na tomada de decisão sobre a crença ou não nesse presságio. Conforme a pessoa desenvolve a capacidade intelectual do espírito, ela será mais capaz de fazer essa distinção.''

Entre as maneiras de atingir esse estado de consciência, a escritora destaca atitudes como evitar reações automáticas e cultivar o silêncio.

Objetivos
* Conseguir dar um ''tom sagrado'' a pequenas coisas da vida
* Não se deixar abater facilmente e tirar lições positivas sempre, até de fatos ruins
* Buscar um estado constante de bom humor
* Ser otimista até em situações adversas
* Assumir a culpa por suas ações, sem se colocar em posição de vítima
* Ter capacidade de transcendência, ou seja, de superar limites
* Buscar atitudes nobres como perdão, compaixão, humildade, gratidão e solidariedade
* Transformar sentimentos negativos em atitudes positivas. Por exemplo: usar a raiva como fator de motivação
* Evitar o apego a bens materiais e amar mais os seres humanos
* Buscar sempre o autoconhecimento

Fonte: artigo publicado no Jornal do Brasil de 15 de janeiro de 2005.
AUTORIA: recebi e-mail da Maria Nunes que informou a fonte do texto e explicou "Especificamente a referência a meu trabalho foi O LADO PRÁTICO."

[Imagem: Creative Studio, "Heart Mandala"]

Posted by Lilia at 10:15 AM|Comments (0)
 
  02.08.05- Questionamento é a base da Inteligência Espiritual

MÁRCIA DETONI

questionamentobase-fernandostickel-jambo.jpg Psicólogos, filósofos e teólogos identificam competência do homem para refletir sobre a existência para dar sentido à vida

Durante muito tempo, o mundo viveu uma verdadeira obsessão por testes para medir o quociente de inteligência (QI), baseados na compreensão e manipulação de símbolos matemáticos e lingüísticos. Nos anos 90, descobriu-se, no entanto, que QI elevado não era sinônimo de sucesso. Para se dar bem na vida, era preciso ter também inteligência emocional (QE), ou seja, ter autoconhecimento, autodisciplina, persistência e empatia.

Agora, o que psicólogos, filósofos e teólogos estão dizendo é que QI e QE podem trazer crescimento profissional e financeiro, mas, para ter paz interior e alegria, o ser humano precisa ter também inteligência espiritual. Precisa ter capacidade de encontrar um propósito para a própria vida e de lidar com os problemas existenciais que surgem em momentos de fracasso, de rompimentos e de dor.

"Do contrário, por que tantas pessoas inteligentes e sensíveis às necessidades dos outros sentem um vazio em suas vidas?", pergunta a psicóloga e filósofa americana Danah Zohar, autora do livro "Inteligência Espiritual", lançado no ano passado em vários países, inclusive no Brasil.

Formada na Universidade de Harvard e no MIT (Massachusetts Institute of Technology), Zohar descobriu a importância da inteligência espiritual durante seu trabalho como professora da Universidade de Oxford, no Reino Unido, e como consultora de liderança estratégica para grandes empresas como Shell, Philip Morris e Volvo. "Eu estava falando com um grupo de executivos bem-sucedidos, e um deles, com cerca de 30 anos, disse que tinha um alto salário, uma família legal, mas sentia um buraco no estômago. E todos os outros fizeram um gesto com a cabeça, concordando com ele", contou Zohar.

O consultor de relações humanas e comunicação João Alberto Ianhez, que desde 1999 já deu cursos sobre inteligência espiritual para funcionários de cerca de 20 empresas brasileiras, diz que o materialismo e o egocentrismo do mundo moderno provocaram uma grande crise existencial. As pessoas passaram a buscar a felicidade em bens materiais e não conseguem mais encontrar um sentido para suas vidas. "Elas estão caminhando em busca do nada", comenta.

É em situações como essa que a inteligência espiritual, segundo os especialistas, tem um papel importante. "Ela nos permite encontrar um senso de propósito e direção", garante o rabino Nilton Bonder, que acaba de lançar o livro "Fronteiras da Inteligência, a Sabedoria da Espiritualidade".

O rabino ressalta, no entanto, que inteligência espiritual não tem nada a ver com religiosidade. Muitas pessoas religiosas, segundo ele, têm uma sabedoria espiritual baixíssima porque buscam na religião apenas certezas e "salvação"; não percebem a importância da dúvida e do questionamento. Bonder diz que a religião é apenas uma das linguagens que podem ser usadas para o desenvolvimento da espiritualidade.

Em seu livro, o rabino usa textos de várias religiões ocidentais e orientais para ajudar a despertar a reflexão ou, como diz ele, para ajudar a fazer "cair a ficha".

A inteligência espiritual, também chamada de QS (do inglês "spiritual quocient"), é a inteligência que leva o ser humano, segundo Zohar, a criar situações novas, a perceber, por exemplo, a necessidade de mudar de rumo, de investir mais num projeto ou de dedicar mais tempo à família. Enquanto o QI resolve primordialmente problemas de lógica e o QE nos ajuda a avaliar as situações e a reagir a elas de forma adequada, levando em conta os próprios sentimentos e os dos outros, o QS nos leva a indagar, de início, se queremos estar nessa situação, se o nosso trabalho, por exemplo, está nos dando a satisfação de que necessitamos ou se essa é a vida que queremos levar.

"Nós usamos a inteligência espiritual quando nos sentimos num impasse, quando enfrentamos as armadilhas de velhos hábitos ou quando temos problemas com doenças ou sofrimentos. O QS nos mostra que temos problemas existenciais e nos aponta os meios de resolvê-los", explica Zohar.


Provas científicas

Embora a expressão inteligência espiritual só tenha surgido na virada do século, a necessidade humana de encontrar um sentido mais amplo para a vida acompanha o homem desde o seu surgimento, afirma Zohar. A novidade, agora, é que alguns cientistas americanos estão começando a encontrar evidências de que o cérebro humano foi programado biologicamente para fazer perguntas como: "Quem sou?", "Por que nasci?", "O que torna a vida digna de ser vivida?".

No início dos anos 90, o neuropsicólogo americano Michael Persinger e, mais recentemente, em 1997, o neurologista Vilayanu Ramachandran, da Universidade da Califórnia, identificaram no cérebro humano um ponto chamado de "ponto Deus" ou "módulo Deus", que aciona a necessidade humana de buscar um sentido para a vida.

Esse centro espiritual localiza-se entre conexões neurais nos lobos temporais do cérebro. Escaneamentos realizados com topografia de emissão de posítrons (antipartícula do elétron) mostraram que essas áreas se iluminam toda vez que os pacientes discutem temas espirituais ou religiosos. Essa atividade do lobo temporal tem sido ligada há anos às visões místicas de epilépticos e de usuários do alucinógeno LSD. Mas a pesquisa de Ramachandran mostrou, pela primeira vez, que o centro espiritual também está ativo nas demais pessoas. O "ponto Deus" mostra que o cérebro evoluiu para fazer perguntas existenciais, para buscar sentidos e valores mais amplos, diz Zohar.

O médico terapeuta José Ângelo Gaiarça não integra o grupo de estudiosos da inteligência espiritual, mas reconhece a importância de o ser humano ter um propósito maior na vida. "Isso não é novidade, é uma idéia muito antiga", comenta. Gaiarça acha, no entanto, que o questionamento existencial por si só não basta para acabar com o vazio da vida moderna. O importante, segundo ele, é as pessoas começarem a perceber que não estão sozinhas no mundo, que fazem parte de um todo e que estão ligadas a tudo que as cerca. Ter espírito de cooperação é, na opinião dele, a forma mais elevada de inteligência espiritual.

Fonte: Folha de São Paulo
[Imagem: Fernando Stickel ]


Posted by Lilia at 08:15 AM|Comments (0)
 
  15.07.05- INVESTIGAR COMO SER FELIZ

Dalai Lama

investigarserfeliz.jpg QUAL É O PROPÓSITO DA VIDA
O propósito da vida é a felicidade. Acredito que em nossas vidas não há garantia de um futuro, mas sempre esperamos algo de bom. Isso é o que nos sustenta e nos dá alento. Assim, o foco básico de nossas vidas é poder viver a felicidade — e todos os seres sencientes buscam a felicidade, não é apenas o ser humano. Todos os seres têm o direito de sobrepujar o sofrimento e achar a felicidade.

DOIS NÍVEIS DE SOFRIMENTO
Há dois níveis de sofrimento e prazer. Um é ligado aos sentidos, e o outro ligado ao plano mental. O nível ligado aos sentidos também está presente nos animais. Ele representa o medo e a busca do prazer imediato, pois é uma visão de curto prazo: vemos algo agradável, ficamos bem. Temos uma experiência desagradável, ficamos mal. Nesse nível, há uma resposta imediata, mas sem pensar, sem análise.

Já no nível mental funciona um processo de análise, de raciocínio. Então, através do pensamento, percebemos que algo que parece bom a curto prazo, pode ser ruim a longo prazo e vice-versa.

SUPERIORIDADE DO NÍVEL MENTAL
As várias facilidades materiais que nos são oferecidas pelo mundo atual são muito benéficas. Mas esses confortos, basicamente, não nos trazem a felicidade. Quando há uma circunstância agradável ligada a objetos materiais, isso traz uma sensação de prazer, mas simultaneamente a mente pode não estar tranqüila. E esse prazer não terá o poder de acalmar a mente.

Por outro lado, se, por exemplo, uma pessoa está tranqüila no nível mental, pode sobrepujar as ocorrências do nível material. Porque a experiência no nível mental é mais forte do que a do nível material. E o contrário não é verdadeiro.

Uma pessoa vê um sofrimento físico como algo com sentido, algo que significa um resgate, uma experiência, uma aprendizado. Outra pessoa vê apenas sofrimento na mesma situação. Isso gera duas experiências totalmente diferentes. Assim, a questão central é: você quer sofrimento ou prazer? Quer felicidade? Então, terá que analisar a realidade, e verá que o desenvolvimento material é importante, mas que o desenvolvimento espiritual é o fundamental para o bem estar.

O desenvolvimento, o conforto material é útil, mas é uma satisfação menor face ao desenvolvimento da espiritualidade.

ESPIRITUALIDADE
Quando digo espiritualidade não me refiro necessariamente a uma religião. Há dois níveis de espiritualidade: um com fé religiosa, outro sem fé religiosa. Vou centrar este seminário na espiritualidade não religiosa.

Nós, seres humanos, temos o dom único do raciocínio. É dentro desse contexto que é importante treinar a mente. E, para treina-la, é importante saber, primeiro, como ela opera.

Quando falo em mente, não me refiro à mente física, mas ao conjunto de idéias, emoções etc. Para que se treine esse conjunto, é preciso saber que tipo de pensamento é benéfico e quais são os pensamentos negativos.

A divisão entre negativo e positivo tem que ter se basear em algum fator. Portanto, vamos definir pensamentos benéficos, alegres, como positivos, e pensamentos dolorosos, infelizes, como negativos. E o que queremos com o treinamento da mente é incrementar os pensamentos positivos.

No mundo natural, distinguimos o que é positivo do que é negativo, e fugimos do negativo, buscando o positivo. O mesmo acontece no nível mental, onde temos que procurar o positivo, e fugir do negativo.

Isso será muito útil para mente, pois temos uma mente brilhante, que pode ser treinada, que pode aprender. Temos a incrível capacidade de treinar a mente para ser usada adequadamente, e adotar atitudes corretas para se ter uma vida feliz.

Considerando a minha própria experiência, posso dizer que se pode modelar a mente, se pode mudar de atitude. E, se tivermos uma atitude mental correta, mesmo em meio a situações ruins e negativas em nosso ambiente poderemos ser felizes. Mas se a mente estiver perturbada, negativa, então pode se estar no melhor ambiente, em meio a bons amigos, com dinheiro, com tudo para ser feliz e se continuar a ser infeliz.

Sabem, quando eu era jovem tinha um péssimo gênio, que herdei do meu pai. Então, tive que aprender, tive que analisar qual era a utilidade desse mau gênio e avaliar, de um lado oposto, qual era a utilidade e a função da compaixão.

Quando se analisam os dois lados, se vê que as nossas emoções negativas são prejudiciais e geram infelicidade, e que as emoções positivas como compaixão nos trazem felicidade e geral tranqüilidade.

Então, após essa análise, mudei minha atitude, meu estado mental. É claro que algumas vezes o mau humor volta, mas mudei muito, todos vocês podem fazer isso, podem melhorar muito, porque todos temos exatamente o mesmo potencial.

Notas do seminário proferido por Sua Santidade o 14º Dalai Lama, Tenzin Gyatso
Fonte: dharmanet

[Imagem: Getty Image]

Posted by Lilia at 11:16 PM|Comments (0)